Novo mundo no novo mundo

Levi Strauss estava certo ao dizer que os índios saudavam os europeus como se os esperassem desde sempre, porque sua visão de mundo exigia a outra, como um quebra-cabeça vazio à espera de uma peça icônica? [1] ? A história dos jesuítas portugueses evangelizando os índios do Brasil parte da alternativa usual entre resistência e assimilação. Como explica Eduardo Viviros de Castro, os índios saudavam com entusiasmo as palavras do Evangelho, mas não acreditavam realmente nelas. A partir daí nasceu uma reputaçãoFickl de espírito selvagem.

Jesuítas e Tupinambás: O Conflito de Ontologias

Labor et Fides publica Espírito selvagem inconstante Escrito pelo antropólogo brasileiro Eduardo Viviros de Castro, autor já bastante conhecido na França Metafísica canibalística. Esta postagem oferece a oportunidade para o público de língua francesa e não profissional descobrir um texto familiar aos antropólogos americanos que toca em história, ciências sociais e filosofia. [2]. O autor faz uma análise da moderna etnografia brasileira e uma teoria social do canibalismo no topinamba, nome étnico que designa vários grupos indígenas da costa brasileira até dezesseise E a décimo sétimoe Séculos. Para tal, frequentemente cita e comenta uma rica literatura colonial, e um dos interesses do livro, aliás, é apresentar ao leitor francófono a literatura jesuíta portuguesa da era moderna (José de Anchieta, Manuel da Nóbrega , etc.). O texto está dividido em duas partes: O problema da descrença nisso dezesseise Século no brasil “E a” Como Tupinambá perdeu a guerra ».

A obra de E. Viveiros de Castro insere-se num dos grandes projetos da antropologia contemporânea que consiste em descrever e apresentar um conjunto diversificado de ontologias, ou seja, sistemas de representação do mundo que constroem cosmologia, conexões sociais e teorias da identidade. E diferentes culturas diferentes [3]. Como Ph.Dcola, o autor está particularmente preocupado com os padrões mentais e comportamentais profundos que definem diferentes percepções da realidade e da produção social de grupos. [4]. Por meio de canibais e católicos, não foram os simples costumes que se juntaram, mas as diferentes ontologias. É exatamente isso que este livro descreve: o encontro impossível entre duas estruturas mentais distintas e, no curto momento em que os índios sobreviveram, a formação de um novo mundo no novo mundo. Aparentemente, o contato entre as comunidades de índios europeus e americanos produziu atritos, trocas e muitos mal-entendidos. Isso abalou os próprios alicerces da Europa cristã. Como Dr. Barbu e Dr. Burgood em sua introdução, “ O momento do canibalismo … está no cerne das fontes da modernidade »(P. 24). Espírito selvagem inconstante Ele também afirma a influência de J. Clifford, que propôs reescrever a história da comunicação com base no fato de que certas sociedades não são baseadas na identidade, mas na troca e na relação dinâmica com outras.

See also  Portugal apela a uma parceria de defesa e segurança entre a União Europeia e o Reino Unido - EURACTIV.com

Variabilidade da planta

Viviros de Castro relata como os jesuítas portugueses que chegaram ao Novo Mundo se viam como os primeiros cristãos a pregar os gentios. Para sua surpresa, os índios da costa brasileira eram muito menos hesitantes do que os pagãos do antigo Mediterrâneo: faziam o catecismo, faziam perguntas entusiásticas sobre Deus, assistiam à missa e faziam o sinal da cruz. Eles parecem não ter religião e estavam completamente prontos para abraçar a Cristo. Disseram que em breve deixariam de viver nus, abandonariam os costumes de seus ancestrais e adotariam os costumes dos europeus. A fase otimista da evangelização jesuíta não durou muito. Os missionários logo descobriram que, depois de virarem as costas, Brasil está de volta “ Para vomitar suas velhas práticas »(Página 37): Vingança, canibalismo, bebida, poligamia, etc.

Os portugueses descobriram que os índios “ Incapaz de acreditar ou acreditar em tudo, o que dá no mesmo (P. 30). Eles concluíram que eram “ Flutuações “, E as” Espírito selvagem inconstante Tornou-se a pedra de toque da antropologia jesuíta. Para usar metáfora Imperador da lingua portuguesa “Antonio Vieira, os índios eram essas estátuas esculpidas em arbustos de murta que precisam ser mantidos constantemente, e quais” Sem a mão do jardineiro e a tesoura, ela perde seu novo visual e volta à velha e natural selvageria, ao estado selvagem em que estava antes. (P. 28). Essa percepção da natureza do índio americano como vegetariana, caprichosa e imprópria para a civilização teve terríveis consequências políticas a curto e longo prazo: o sequestro de crianças indígenas em escolas jesuítas (p.), E a retórica e práticas originais dos brasileiros estado (p. 39).

Uma comunidade aberta

O que os jesuítas desistiram em primeiro lugar foi Versão tupinambá do “problema da incredulidade”. dezesseise século [5] (P. 76). Está na sala de aula ” A dureza da fé (Pp. 73-89) Entendemos porque este livro foi publicado na coleção História das Religiões. Viveiros de Castro aborda a questão da crença religiosa ao afirmar que não se trata de um fenômeno psicológico independente, mas sim de pontos, como o caso da possibilidade , para uma forma de estrutura social que não existia Ben Tupinamba: uma sociedade fechada organizada em torno dela. Um poder central e transcendente. Inspirado por P. Veyne e J. Clifford, o autor escreve páginas muito sugestivas aqui (pp. 78-84 ) A linguagem da crença teocrática (P. 82), porque não há fé senão quando há princípio, e não há princípio exceto quando há sociedade fechada. O princípio é verdadeiramente uma ideia sagrada que estabelece uma comunidade conectando seus membros e distinguindo-os dos outros. Porém, a comunidade Tupi não se baseia formalmente no fechamento de identidade, mas na troca com outra. E porque não é baseado em princípios, seus membros não são inclinados à fé [6]. Assim, Viveiros de Castro define aqui uma das ideias de J. Clifford que segundo o conceito de comunidade não implica necessariamente o fechamento da identidade: existem, na verdade, sociedades baseadas na relação e na troca com o outro (p. 46).

Tudor de Berry, cena canibal, dezesseise século
See also  Portugal: Governo decidirá a volta dos torcedores aos estádios

A abertura para o outro que caracteriza a sociedade Tobi significa que ele parecia desejar. [sa] Perdição (P. 43). Como podemos entender esta sociedade tão estranha para aqueles de nós que acreditam nela? “ A presença da comunidade em sua perseverança »(P. 45) ? O que Viviros de Castro chama Incompletude existencial (P. 83) de Tupinambá interpreta seu desejo pelo outro. O que os fez beber metaforicamente as palavras dos sacerdotes foi também o que os fez literalmente engolir seus inimigos. A análise do complexo de vingança e canibalismo fora dos guerreiros ilustra bem essa dependência uns dos outros. A honra de se vingar dos mortos deu a sociedade Tobi. Momento centrífugo (P. 63). Os prisioneiros tupinambás executados e comidos ritualmente. Em troca, eles irritaram seus inimigos, mantendo assim o ciclo interminável de vingança. O ponto culminante do ritual não foi a festa dos canibais, mas o diálogo entre a vítima e o assassino. O prisioneiro condenado à morte reivindicou sua condição de assassino ao recitar os nomes daqueles que havia matado e anunciou que logo se vingaria de sua parte. Portanto, o grupo era tão heterogêneo que colocou sua memória e futuro nas mãos de seus inimigos. A vingança era o motor do tempo social. Eu coloquei “ A realidade da sociedade [7] ” No “ Mão dos outros ».

Entre Filosofia e Etnografia

Infelizmente, a distinção entre fé e crença às vezes flutua em um livro onde essa questão é central. Na verdade, Viveiros de Castro se esforça para mostrar que os Tupinambás têm crenças, mas não têm fé. A fé, como o autor a entende, é uma forma de fé: uma crença profunda em algo que é considerado sagrado. Portanto, a fé é a marca registrada de quem é Fixo », Isto é, aquele que se liga, de corpo e alma, a algo. E portanto “ Inconstante É aquele que crê sem fé? A distinção é especificamente mencionada na p. 45 quando o autor procura descrever Método de crença sem crença » [acreditar sem fé] Índios. Além disso, quando menciona ausência entre tupis por “ A linguagem da crença teocrática » [língua teocrática da crença] (P. 82), deveríamos dizer antes “ Linguagem Teocrática da Fé ».

See also  Portugal: revelando as origens africanas de Cristiano Ronaldo كريست

À la limite de l’anthropologie se pose toujours la question du langage: les concepts de société, de religion et de guerre sont si chargés de signification occidentale que, tout en se révélant nécessaires pour nous faire voir l’altérité, ils risent de Reducing . Em um Entrevista para a revista Lastro, P. Déléage [8] Repreendido I. Viviros de Castro por colocar construções mentais universitárias na cabeça dos índios. Essa crítica às vezes é ouvida, é verdade, em relação a Espírito selvagem inconstante, Freqüentemente mais conceitual do que etnográfico. Mas, como o próprio P. Déléage concorda, há “ Liberdades teóricas Por E. Viviros de Castro por um lado Fascinante Porque, para além da sua qualidade literária e histórica, este texto tem o interesse em restabelecer o erro ontológico que separava os mundos europeu e americano na altura do contacto, e nisso contradiz uma tendência problemática da história étnica para resolver as diferenças entre civilizações para melhor compará-las. [9]. Longe de servir aos interesses dos outros, a resposta humana é a expressão mais enganosa do racismo ocidental. [10]. Quando o revelamos, vemos agora como é difícil escrever a história da conexão, mas também como é muito mais interessante.

Eduardo Viviros de Castro, Contradição do espírito selvagem: católicos e canibais no Brasil dezesseise séculoGenebra, Action and Vids, 2020. Prefácio, de Daniel Barbeau e Philip Burgoyd. Traduzido por Aurore Becquelin e Véronique Boyer do português (Brasil). 184 p., 16 euros.

Para citar este artigo:

Anthony Mannicki e Juliet Tran, “Um Novo Mundo em um Novo Mundo”,

Livros e ideias

, 10 de maio de 2021. ISSN: 2105-3030. URL: https://laviedesidees.fr/Un-monde-nouveau-dans-le-Nouveau-Monde.html

Observe:

Se você gostaria de criticar ou desenvolver este artigo, você é encorajado a enviar um texto ao comitê editorial (redação no laviedesidees.fr). Nós responderemos o mais rapidamente possível.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *