Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Silva Lopes: «Desta vez tenho medo do FMI»

O economista Silva Lopes, que estava no Governo na primeira intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Portugal, em 1977, e que acompanhou a segunda (1983), disse hoje que, no presente cenário, receia uma eventual intervenção daquela entidade.

«As duas primeiras vezes a intervenção do FMI deu um ‘resultadão’, mas desta vez tenho medo», afirmou Silva Lopes, que participava num colóquio dedicado ao tema da dívida na Assembleia da República.

O economista explicou que, ao contrário das duas anteriores intervenções, Portugal agora só tem como saída o corte das despesas. «Isto vai dar recessão e séria. Vamos ter uma recessão, de certeza absoluta», sublinhou, afirmando discordar das previsões macroeconómicas do Executivo plasmadas no Orçamento do Estado para 2011.

“O Governo deveria dizer que a recessão vem aí. Caso contrário, quando vier, e vem, toda a gente vai dizer que o Governo não a previu”, frisou Silva Lopes.

Sobre as medidas que constam na proposta do Orçamento do Estado para 2011, o economista considerou que “se o Governo não tomar estas medidas, ninguém empresta dinheiro lá fora”.

Kenneth Rogoff, ex-economista chefe do FMI, defendeu hoje que uma intervenção do FMI implica a aplicação de medidas muito duras, pelo que não é melhor do que entrar numa situação de incumprimento.

“O programa do FMI não é melhor do que a situação de ‘default’ (incumprimento) porque obriga a grandes ajustamentos”, afirmou o especialista, que é também professor da Universidade de Harvard, num colóquio sobre dívida pública promovido na Assembleia da República.

Segundo Rogoff, que falava sobre as causas, consequências e perspetivas de evolução da dívida pública, num evento promovido pela Comissão de Orçamento e Finanças, “a intervenção (do FMI) nos países desenvolvidos não é invulgar, apesar de já não acontecer há muitos tempo”.

Recorde-se que o FMI já interveio em Portugal por duas ocasiões: a primeira em 1977 e a segunda em 1983.

O professor de Harvard disse também que “a explosão do endividamento após uma crise financeira é algo bastante típico”.

De seguida, questionou se “as preocupações sobre a dívida de Portugal são legítimas?”, sublinhando que uma resposta exata precisa de ter dados comparativos.

“Uma coisa é certa. Quando existe uma crise financeira, a dívida dispara”, reforçou.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.