Economia: 22 países africanos importam suas moedas da Inglaterra e da Alemanha

Após várias décadas de independência, Guiné, Etiópia, Ruanda e 14 outros países africanos continuam a imprimir suas notas bancárias no Reino Unido, enquanto outros se voltam para a Alemanha. No entanto, os residentes desses países desconhecem em grande parte o fato de que sua moeda é fabricada no exterior, ao contrário das dos países da região CFA, e estão mais cientes disso.

17 países africanos importam suas moedas do Reino Unido

De acordo com os dados disponíveis, devido a alguma falta de comunicação nesta área, tanto de países como de fabricantes, 17 países africanos estão listados como tendo impresso as suas notas no Reino Unido, mais precisamente na Inglaterra. Em ordem alfabética, são os seguintes países: Angola, Botswana, Cabo Verde, Etiópia, Gâmbia, Guiné, Lesoto, Líbia, Malawi, Maurícias, Moçambique, Uganda, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Seychelles, Serra Leoa e Tanzânia (cujos as notas também são impressas em mais dois países).

Todos esses países compartilham a importação de suas moedas da empresa britânica De La Rue, que também fabrica a maior parte das moedas do Reino Unido e é uma das líderes mundiais nesta área. Está principalmente dividida entre as ex-colônias britânicas e portuguesas, às quais se juntam Guiné, Ruanda, Etiópia e Líbia (que também reivindica a Rússia). No que se refere ao processo produtivo, vale destacar a recente inauguração de uma unidade em Nairóbi, em 2019, como parte de uma joint venture com o governo queniano para garantir parte da fabricação de moedas.

Além disso, deve ser feita referência ao caso específico da Somalilândia, uma área que cobre o noroeste da Somália que declarou independência. Embora não seja reconhecido por quase toda a comunidade internacional, ele criou sua própria moeda para se destacar da Somália, e foi feito pelo Reino Unido, que já dominou o território (ao contrário do resto da Somália, que era uma colônia italiana).

Recorrer a uma entidade externa pode ser uma surpresa para alguns desses países, como a Etiópia e a Tanzânia, que têm grandes populações, ou a Guiné e Ruanda, à luz de alguma retórica política. Mas talvez o caso mais surpreendente seja o da Líbia, por suas capacidades financeiras muito importantes, que superam em muito as dos poucos países africanos que fabricam suas moedas nacionais, como Marrocos, África do Sul e República Democrática do Congo (Líbia é grande produtor de petróleo e detentor das maiores reservas do continente). Na verdade, isso parece mostrar mais uma vez a falta de sinceridade do antigo regime de Khadafi, quando este último se apresentou como o campeão da unidade africana e da independência do povo africano. É uma posição que se insere, assim, no quadro da estratégia de comunicação organizada pelo regime, que não procurou realmente desenvolver o país e garantir a sua soberania (os hidrocarbonetos representam cerca de 95% das exportações). África (a tentativa de invadir o Chade e desestabilizar a Tunísia …). Isto, talvez para garantir simpatia e apoio à opinião pública africana, para levantar as sanções internacionais e garantir a continuação da regra incontestável que durou 41 anos na altura da revolta. Povo líbio e fazer de Gaddafi o governante de maior longevidade na África pós-colonial. Uma estratégia de comunicação que ainda hoje tem uma certa eficácia …

READ  Bruxelas vê a luz no fim do túnel

Pelo menos seis países africanos importam suas moedas da Alemanha

Além dos países mencionados anteriormente, cinco outros países estão listados como tendo suas cédulas impressas na Alemanha, que se somou à Tanzânia que também usa o Reino Unido (além dos Estados Unidos). Portanto, esses seis países que convidam a Alemanha são: Eritreia, Mauritânia, Sudão do Sul, Eswatini, Tanzânia e Zâmbia. Este último também imprime parte de sua moeda na França.

No entanto, os dados muito parciais enviados pelo fabricante alemão de notas Giesecke + Devrient (G + D), que não detalha os clientes do banco central em todo o mundo (e aos quais é adicionada a opacidade detida por muitos dos mesmos países), sugere que Outra África também está apelando para países que, pelo menos ocasionalmente, a Alemanha para fabricar sua moeda nacional (talvez a Etiópia, que no passado anunciou um contrato em 2008).

43 países africanos importam suas moedas do exterior

Considerando as moedas feitas em outros países que não o Reino Unido e a Alemanha, além dos casos especiais da Somália e do Zimbábue, falidos e sem moeda real, 43 países africanos no total são os que recorrem a um país estrangeiro, isto é. 21 países a mais do que os mencionados anteriormente. De acordo com as informações disponíveis, outros 20 países usam a França (que também imprime parte da moeda zambiana, já mencionada), enquanto um deles usa os Estados Unidos, no caso da Libéria, criado a partir de 1821 pela comunidade colonial americana. (que é adicionado – em Menos – à Tanzânia, da qual eles parcialmente fazem moeda).

Assim, de acordo com os dados disponíveis, a França imprime as moedas de 21 países africanos no total, ou seja, as moedas de 16 das suas ex-colónias (12 países da região CFA, Comores, Madagáscar, Djibouti e Tunísia). Adicione Guiné-Bissau e Guiné Equatorial (membros da região CFA, a ex-colônia portuguesa e espanhola respectivamente), Burundi (a ex-colônia belga) e, finalmente, Namíbia e Zâmbia, que são duas ex-colônias britânicas. O processo de produção é feito pelo Banco da França para 17 desses países, enquanto outros quatro utilizam a empresa privada Uberthur Fedusayr, uma das maiores fabricantes mundiais de cédulas, com a britânica De La Rue e a alemã Giesecke & Devrient. Mas aqui, novamente, o número real de países que solicitam os serviços dessa empresa francesa é provavelmente, pelo menos às vezes, maior.

READ  Live Mega Millions results for 12/01/21; Jackpot of $ 625 Million

Nove países africanos fabricam suas moedas nacionais

Além desses 43 países que utilizam fontes externas para fabricar sua moeda nacional para uma entidade estrangeira, nove países africanos realizam esse processo por conta própria, que são Marrocos, Argélia, Egito, Sudão, Gana, Nigéria, República Democrática do Congo, Quênia e o sul. África. No entanto, sem que isso tenha qualquer ligação com o caráter local da fabricação de moeda, é preciso lembrar, para contrariar alguma propaganda, que cinco desses nove países sofrem com a forte dolarização de suas economias (Sudão, Gana e Nigéria). , República Democrática do Congo e Quênia), qualquer uso significativo do dólar em transações econômicas internas, rejeitando a moeda local, é considerado arriscado. O caso da Nigéria é um bom exemplo da principal razão desta situação, já que a moeda perdeu quase 60% do seu valor em relação ao dólar desde 2014, e mais de 99% do seu valor desde o seu início em 1973 (quando a libra esterlina), a libra esterlina valia 2 naira., em comparação com 527 em 1 de abril de 2021).

No entanto, a presença de um certo número de países africanos criam as suas próprias moedas nacionais, e apesar das graves dificuldades financeiras que alguns deles enfrentam (como o Sudão, cuja libra acabou de ser desvalorizada em 85%, em fevereiro passado, e agora é uma dos cinco países mais pobres da África e o país mais endividado do continente), prova que outros países também podem assumir a tarefa. Isso vale ainda mais para quem tem a vantagem de fazer parte de uma unidade regional com uma moeda única e uma população suficientemente grande, ou seja, os países que pertencem à União Econômica e Monetária da África Ocidental e o Simac, ambos da de longe os grupos mais complementares do continente (que mostraram, de passagem, que a unidade africana é sobretudo um fato francófono).

READ  Bruxelas vê a luz no fim do túnel

———————

explicado : Como parte de um artigo publicado em dezembro de 2020 (https://www.bbc.com/afrique/region-55413027), a BBC deu a palavra a Kemi Seba, que alegou que não é normal para os países da região CFA continuar a fabricar sua moeda no território de sua potência colonial Anterior. Embora esta opinião seja respeitada, é lamentável que a BBC não tenha mencionado, nem ao vivo durante a entrevista, nem no texto do artigo, o facto de o Reino Unido também produzir moedas de vários países africanos.

Outro elemento lamentável: neste mesmo artigo, um convidado senegalês afirma (entre outras imprecisões) que o seu país, que será mal gerido devido ao franco CFA, é o segundo país mais endividado da CEDEAO, a seguir a Cabo Verde. No entanto, a verdade não é apenas diferente, mas além disso, deve-se notar que o Senegal nem mesmo é um dos quatro países mais endividados da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental há muito tempo … e que lá já não existe nenhum país francófono entre os cinco que mais endividam neste grupo (dados semestrais do FMI sobre a dívida pública).

Assim, é lamentável constatar que a BBC, que pretende ser uma das referências mundiais em termos de informação, também passou a difundir periodicamente informações falsas ou incompletas. No período pós-Brexit, marcado por um crescente interesse do Reino Unido na África, esperemos que a BBC não siga os passos da mídia financiada pela Turquia que se destaca nisso …

CERMF

Um centro de estudo e reflexão no mundo francófono

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *