Atualização na variante B.1.617 em Sars Cov 2

O que sabemos sobre essa alternativa?

A variante 20A / 484Q (B.1.617) aparecerá pela primeira vez na Índia em dezembro de 2020 de acordo com o INSACOG (Indian Genome Consortium SARS-CoV-2).

Ele carrega duas mutações que podem estar associadas a um efeito significativo em termos de escape imunológico (pós-infecção e pós-vacinação) e um risco aumentado de transmissão do vírus. No entanto, esses elementos não foram esclarecidos formalmente até o momento.
Esta variável interessará, a partir de 14 de abril de 2021, 61% das amostras sequenciadas no estado de Maharashtra onde foram detectadas. Na Índia, será responsável por 15 a 20% das amostras sequenciadas. No entanto, a estratégia de sequenciamento de amostras na Índia não foi descrita com precisão e a Índia sequencia uma proporção muito baixa (menos de 1%) de amostras positivas. Acredita-se que a variante 20I / 501Y.V1 (Reino Unido) esteja presente em sua maioria na maioria das regiões.

As autoridades de saúde indianas classificaram esta variável como VOC (Variante de Preocupação). Até o momento, nenhuma ligação foi demonstrada entre o surgimento dessa alternativa e a recente deterioração da situação epidemiológica na Índia.

Como está classificado na França?

A Autoridade de Saúde Pública da França e o Centro Nacional de Referência para Vírus Respiratórios realizam em conjunto uma análise de risco semanal nas diferentes variantes que foram identificadas na França e no nível internacional do SARS-CoV-2, com base nas informações disponíveis sobre seus distribuição e características.

De acordo com a análise de risco de 21 de abril de 2021, a variável B.1.617 foi classificada como uma variável a ser seguida, ou VOI (‘Variable of Interest’ em inglês).

Esta categoria inclui o estabelecimento de vigilância nacional e internacional reforçada, bem como análises virológicas dessas variantes a serem monitoradas, permitindo avaliar suas características virológicas, clínicas e epidemiológicas.

See also  Que sinais devem alertá-lo?

Como é monitorado?

No âmbito da estratégia nacional de vigilância genómica liderada pelo consórcio EMERGEN, coordenado pela Public Health France e ANRS | Doenças infecciosas emergentes, um sistema para detectar e monitorar infecções potenciais da variante B.1.617 foi estabelecido pela Public Health France e o National Reference Centre, em conjunto com os Laboratórios Biomédicos. Esses laboratórios enviam aos laboratórios deste consórcio para sequenciamento qualquer resultado de teste PCR positivo de uma pessoa que retornou da Índia ou que esteve em contato próximo com uma pessoa que retornou da Índia ou qualquer resultado de teste PCR que possa indicar a alteração do vírus.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *