Um novo recorde para as sequências de DNA mais antigas: o limiar de um milhão de anos ultrapassado | Ciência | Notícias o sol

OAs análises de três amostras de mamutes lançam uma nova luz sobre a Idade do Gelo, quando os grandes mamíferos prevaleciam, e o legado do mamute lanudo, cujos últimos sobreviventes há apenas 4.000 anos desapareceram da Ilha Wrangel, na Sibéria.

Os genomas decodificados excedem em muito o DNA mais antigo já sequenciado, o genoma entre 500.000 e 700.000 anos. Aqui, DNA – o portador da informação genética é chamado Genoma – “Incrivelmente antigo. Os espécimes são mil vezes mais antigos do que os restos dos vikings e até precedem a existência de humanos modernos e neandertais”, Miracle Love Dalin, do Stockholm Center for Paleontology, que supervisionou o estudo publicado na revisão Natureza temperada.

Os fósseis foram descobertos na década de 1970 na Sibéria, em permafrost (solo profundamente congelado, também chamado de permafrost), e foram mantidos na Academia Russa de Ciências em Moscou. Os pesquisadores primeiro conseguiram determinar a história dos dentes (molares) comparando-os com outras espécies, como pequenos roedores, que são conhecidos por serem únicos em certos períodos e encontrados nas mesmas camadas sedimentares. Essas primeiras comparações indicam que os dois grandes mamíferos eram antigos mamutes das estepes com mais de um milhão de anos. O “mais jovem” dos três, com cerca de 800.000 anos, era o mamute lanudo mais velho (uma espécie que divergia do mamute da estepe) já descoberto.

“uma pitada de sal”

Mas os pesquisadores foram além e conseguiram extrair dados genéticos de pequenas amostras de pó dental, “como uma pitada de sal para temperar um prato”, disse Love Dalin, professor de genética, em uma entrevista coletiva. Apesar de sua deterioração, os cientistas foram capazes de sequenciar milhões de pares de bases, os blocos de construção do DNA, e estimar a idade a partir dessas informações valiosas, que são mais precisas do que as evidências geológicas.

READ  Falsificação profunda: muito esforço para poucos resultados? | Ciência | Notícias o sol

Veredicto: o mamute mais velho, chamado Krestovka, é ainda mais velho do que foi inicialmente estimado em 1,65 milhão de anos; A segunda, Adicha, tem 1,34 milhão de anos. Chukuchia, o “mais jovem”, tem cerca de 870.000 anos.

Seus fragmentos de DNA pareciam “um quebra-cabeça, com milhões de pequenas peças, e muitas delas são muito menores do que você pode obter de DNA moderno de alta qualidade”, desenvolveu Tom van der Valk da Universidade de Uppsala na Suécia, autor principal de o estudo. Usando o genoma do elefante africano, primo do mamute moderno, os pesquisadores também descobriram que o mais antigo, Krestovka, veio de uma linha genética até então desconhecida que teria se desviado de outras espécies lá; tinha cerca de dois milhões de anos e depois um Colônia norte-americana. Análises posteriores revelaram variações genéticas associadas à vida no Ártico, como cabelo, termorregulação ou depósitos de gordura, indicando que o mamute era peludo muito antes do aparecimento dos congêneres.

O derretimento do gelo da Sibéria, ligado ao aquecimento global, está destacando cada vez mais os fósseis. Um verdadeiro astrólogo também deixa os cientistas ansiosos por estudar o passado de pequenos animais, como os ancestrais dos alces, cobras almiscaradas ou roedores. Se a genética lançar luz sobre a megafauna da Idade do Gelo, Alfred Rocca, da American University of Illinois, disse em um comentário postado paralelamente ao estudo, “o relógio dos pequenos mamíferos pode estar correndo em breve”.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *