Um ataque cibernético atinge a mídia do Grupo Empresa

LISBONNE (Reuters) – Os sites internet de l’un des plus grands journaux portugais et d’une importante chaîne télévisée du pays, tous deux détenus par le conglomérat médiatique Impresa, étaient vítima hors-service lundies aprèsété pendant cyber fim de semana.

O jornal Expresso e o canal de televisão SIC afirmaram que o incidente foi comunicado à Agência da Polícia Judiciária (PJ) e ao Centro Nacional de Segurança Cibernética (CNCS) e informaram que vão apresentar queixa.

Os suspeitos de hackers, que se autodenominam Grupo Lapsus $, postaram uma mensagem nos sites informando que dados internos vazarão se a Empresa não pagar o resgate. Seu endereço de e-mail e detalhes de contato do telegrama foram incluídos na mensagem.

O grupo não respondeu imediatamente a um pedido de comentário da Reuters.

$ Lapsus, que afirma ter obtido acesso à conta Amazon Web Services da Empresa, também enviou um e-mail de “phishing” para assinantes do Expresso e usou a conta verificada do jornal no Twitter.

Acredita-se que o mesmo grupo tenha hackeado o site do Ministério da Saúde no mês passado, interrompendo vários sistemas, incluindo um contendo informações sobre o Programa Nacional de Imunizações e um usado para emitir certificados de saúde para vacinação digital.

O coordenador do CNCS, Lino Santos, disse ao Observador que é a primeira vez que a Lapsus $ lança um ataque em Portugal.

Off-line desde domingo, os sites Espresso e SIC exibem uma mensagem informando que estão “temporariamente indisponíveis” após o ataque e que estarão de volta “assim que possível”.

Os dois veículos que publicam seus artigos nas redes sociais descreveram o hack como um “ataque sem precedentes à liberdade de imprensa na era digital”.

(Reportagem de Catarina Damon, versão francesa de Elena Vardon, edição de Blandin Hinault)

See also  China's financial regulators are urging the Ant Group to put in place a "correction" plan quickly