Ucrânia: Moscou descarta qualquer “concessão” durante conversas com Washington

A Rússia descartou neste domingo quaisquer “concessões” em negociações de alto risco com os Estados Unidos em Genebra sobre a Ucrânia e a segurança na Europa, dizendo estar “decepcionada” com os “sinais” enviados por Washington.

• Leia também: Biden garante ao presidente da Ucrânia que os EUA “responderão fortemente” à invasão da Rússia

Não aceitaremos nenhuma concessão. “Isso é absolutamente improvável”, disse o vice-chanceler Sergei Ryabkov, que deve participar das negociações, a agências de notícias russas.

“Estamos desapontados com os sinais recebidos nos últimos dias de Washington, mas também de Bruxelas”, acrescentou.

Depois disso, Ryabkov disse que se não houver progresso na primeira reunião na segunda-feira, a Rússia pode decidir não continuar as negociações.

“É um cenário muito provável (…) se andarmos em círculos, se não virmos que o outro lado está disposto a levar em consideração nossas prioridades e a interagir de forma construtiva, o diálogo será inútil”, disse. ele disse.

Representantes da Rússia e dos Estados Unidos se reunirão em Genebra na noite de domingo, antes de uma reunião crucial no dia seguinte sobre a Ucrânia e a segurança na Europa em meio às crescentes tensões.

O Ocidente acusa a Rússia de reunir dezenas de milhares de soldados na fronteira da vizinha Ucrânia em antecipação a uma possível invasão, acusação que Moscou nega.

As negociações, que deveriam ocorrer em Genebra, foram realizadas depois que a Rússia fez exigências para “garantir sua segurança”. No topo de suas demandas está um compromisso “legal” da OTAN de não integrar a Ucrânia e a retirada de soldados dos EUA dos países do Extremo Oriente da OTAN.

Várias autoridades ocidentais descreveram essas exigências como “inaceitáveis”.

No mês passado, o presidente dos EUA, Joe Biden, ameaçou seu colega russo, Vladimir Putin, com sanções “sem precedentes” se Moscou atacar a Ucrânia.

See also  República Dominicana retoma exportações para o Haiti

“É muito provável que encontremos a relutância de nossos colegas americanos e da Otan em perceber o que realmente precisamos”, disse Ryabkov no domingo.

Continuou dizendo que apesar das “ameaças serem continuamente feitas contra nós (…) não faremos concessões”, acrescentando que isso equivale a “agir contra nossos próprios interesses e contra os interesses de nossa segurança”.

O leste da Ucrânia está dilacerado desde 2014 pelo conflito entre as forças de Kiev e separatistas pró-Rússia que eclodiu após a anexação da Crimeia pela Rússia.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *