Passus Coelho destrói o governo

Pedro Passos Coelho criticou duramente o governo socialista numa intervenção que abordou temas quentes da actualidade política, como a situação na TAP ou a morte de um cidadão ucraniano nas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em uma conferência que marcou o 150º aniversário do nascimento de Alfredo da Silva, o ex-primeiro-ministro acusou o governo de facilitar as políticas educacionais. “O que aconteceu, por exemplo, com os resultados do programa TIMMS, que avalia habilidades em ciências e matemática para alunos que concluíram o primeiro ciclo do ensino básico, é uma dessas fugas de responsabilidades infelizes”. Passos Coelho alerta que “estas políticas educacionais vão prejudicar gravemente a formação dos jovens portugueses”.

O ex-comandante do PSD considera “o bode expiatório também um bode expiatório notável” no caso do SEF. Bassus acusa o governo de “inação incompreensível” há nove meses.

O ex-primeiro-ministro também classificou o caso da TAP como “indicativo da leveza insustentável da falta de responsabilidade pública na gestão do interesse coletivo”, apontando o dedo aos bilhões que seriam injetados na empresa que vão além do investimento em saúde.

Depois de muitas críticas ao governo de Antonio Costa, o ex-dirigente do PSD defendeu que “chegou a hora de fazer o que é preciso” para evitar “um retorno a experiências tão dolorosas”. Em outras palavras, disse ele, “para escapar da cauda da Europa” é necessário “empreender as reformas das estruturas políticas, sociais e econômicas necessárias para construir uma história diferente daquela que aqui se desenha há anos”.

See also  Bruno Lage elogia Roman Sais, "Maldini do Marrocos"

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published.