O Centro Europeu de Controle de Doenças aconselha a revisão do plano de vacinação contra COVID-19 | Vírus Corona

A diretora do Centro Europeu de Controle e Prevenção de Doenças, Andrea Amon, alertou nesta quarta-feira para a escassez de vacinas contra Covid-19 Isso requer uma revisão dos critérios para determinar quais grupos prioritários serão cobertos na primeira fase de vacinação.

Em entrevista à RTP e à Antena 1, afirmou: “Não sabemos exactamente quantas doses estarão disponíveis à partida, mas a expectativa é de que sejam inferiores ao número de pessoas incluídas nos grupos prioritários, pelo que pode ser necessário rever as prioridades”. Ele sugeriu revisar os critérios, como alguns países já haviam feito. Por exemplo: profissionais de saúde? Sim. Mas, por exemplo, trabalhadores de saúde com mais de 50 anos. ”

Outra questão levantada pelo Diretor do CEPCD é a “distribuição e administração de vacinas”, tarefa que não será fácil: “É necessário garantir que haja padrões acessíveis, pessoal para administrar e equipamentos”. Além disso, algumas das vacinas que estão sendo testadas exigem duas doses, então será necessário um sistema que garanta que as pessoas possam lembrar a segunda dose, disse ele. “Isso é parte, e a outra é que vai ser preciso monitorar a cobertura da vacina, quem já foi vacinado, e fica uma questão em aberto: quanto tempo vai durar a proteção?” Ele ressaltou que são questões que devem ser buscadas por meio de estudos.

Na véspera das celebrações do Natal e Ano Novo, Andrea Ammon também pediu para ter cuidado ao eliminar as medidas de precaução e sugeriu que as pessoas se isolassem antes de se juntarem à família. À luz das melhorias recentes, pode parecer que o vírus está passando, ‘mas não é o caso. “O vírus ainda está lá, então não podemos agir como se ele não existisse.”

Segundo Plano de vacinação Covid-19 Introduzido na semana passada, quem não faz parte dos grupos prioritários deve iniciar a vacinação apenas a partir de julho de 2021. O processo deverá decorrer em três fases, a última das quais pode ser prolongada até ao início de 2022. No total, Portugal terá a chegar 22 8 milhões de doses da vacina Para vacinar toda a população.

Segundo Krishna Udakumar, Vice-diretor do Centro de Inovação para Saúde Global da Duke University na Carolina do Norte (EUA), até o final de novembro sete bilhões de doses de vacinas contra o novo Coronavírus haviam sido compradas ou encomendadas, mas sua distribuição continua irregular. “3.700 milhões de doses foram compradas por países de alta renda, por meio de acordos bilaterais, 1.700 milhões de doses foram compradas por países de baixa renda média e 700 milhões por países de alta renda média”, disse Odiakumar.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published.