Excluir um juiz do concurso para procurador europeu nega ao Ministro da Justiça

José Antonio Cunha garante que, ao contrário do que disse Francesca Van Denim na Assembleia da República, a carta assinada pela governadora não explica os motivos da sua exclusão do concurso.

O juiz, que foi excluído do concurso para Procurador-Geral Europeu JN, confirmou que nunca foi informado dos motivos que levaram o governo a retirar a sua candidatura. Desta forma, José Antonio negou ser a ministra Francesca Van Denim, que assegurou quinta-feira aos membros da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Salvaguardas que justificou os motivos da exclusão numa carta que enviou ao juiz. “Não é verdade que o ministro esclareceu naquela carta os motivos da minha exclusão, ou seja, os motivos para não entrar na lista de candidatos apresentada pelo governo”, diz José Antonio Cunia.

O ex-presidente do Tribunal Judicial da Província do Porto confirma, tal como o JN já referiu, que recebeu uma carta na qual Francesca Van Dunem lhe pedia desculpa, “a pedir desculpa por não ter sido incluída no jogo final do comunicado apresentado pela República Portuguesa à União. Como candidato europeu” para o cargo de Procurador Europeu, e “Mais Disso, “porque não lhe foi dado” conhecimento oficial “desta decisão. No entanto, refuta todas as outras declarações feitas pelo Chefe de Justiça do Parlamento a este respeito. “Como foi dito, foi movido contra o Ministério da Justiça no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto uma ação para revogar a lei que exclui dos processos de nomeação ou de nomeação de pessoas nomeadas pelo Governo para o cargo de Procurador-Geral da União. A lei nacional, portanto, a lei que define os três candidatos a procuradores da República, com todas as consequências Entre os fundamentos do procedimento está o fato de que, até agora, não fui notificado do procedimento administrativo que definiu a minha exclusão, que é o conteúdo, a data e a autoria, ou seja, seus elementos básicos, não sei, o que constitui uma audiência prévia constitucionalmente estipulada ”, defende o juiz.

READ  Andebol: Portugal, perdido no trauma e enlutado, quer ir a Tóquio por Alfredo Quintana

De fato, o Ministro da Justiça não respondeu em nenhum dos quatro parágrafos da carta obtida pelo JN, sobre os motivos que levaram à exclusão de José Antonio Cunia. Neste documento, além de lamentar que a candidata não tenha sido informada da decisão do governo, Francesca Van Dunem afirma que não houve “violação de qualquer regra de procedimento, mas sim um delito de regra de cortesia” pedindo-lhe “caridade”.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *