Da garantia francesa de responsabilidade europeia – EURACTIV.fr

Um em cada três países da África Subsaariana o subscreve, e ele é estável e conversível em euro, e o franco CFA é cada vez mais criticado por ter se tornado para alguns um símbolo do colonialismo neofrancês. No entanto, suas alternativas, como uma futura moeda ambiental na África Ocidental ou opções de dólar e grego, parecem ainda menos reconfortantes do que o acordo atual, de acordo com Loeb Viallet..

Loeb Viallet é economista e geopolítico. Essa reflexão foi mencionada em seu recente livro La fin du franc CFA, publicado pela VA Éditions no final de 2020.

A França já não tem meios para sacrificar as suas finanças e reputação mantendo esta cooperação, mas também não tem interesse em enfraquecer os quinze países subsarianos da sua grande vizinhança ou na deterioração das relações económicas entre a zona euro e a zona franco. Dado que a estabilidade dos países e economias da África Subsariana beneficia não só a França e os membros da zona euro, mas também todos os países europeus, pode parecer adequado assumir este compromisso político a nível do Conselho Europeu e apoiar financeiramente segurança para o orçamento da UE.

Quanto aos países africanos, as garantias e credibilidade conferidas à sua moeda e finanças públicas com uma garantia colectiva europeia permitir-lhes-ão proteger-se dos riscos de falência em caso de crise ligada às consequências do aquecimento global ou de um choque financeiro no nas próximas décadas, mas também para continuar a atrair capital e commodities do continente europeu, para controlar em termos de sua inflação e para continuar seu comércio com o resto do mundo como bem entenderem.

Esta opção permitiria, acima de tudo, conservar a liberdade de competir com atores econômicos estrangeiros em seu território, ao mesmo tempo em que construíam um ambiente propício ao investimento na transformação ambiental. Além disso, o caráter coletivo desta nova parceria monetária permitiria mitigar o sentimento de desconfiança que mina a atual cooperação franco-africana.

See also  Cartão do banco de Cristiano Ronaldo sequestrado durante três anos por funcionário de agência de viagens

Coletivamente, os europeus terão interesse em fortalecer a independência e a influência da sua moeda em troca da sua cooperação. Como tal, pode ser incluído nos futuros acordos de cooperação monetária que “todas as trocas entre a União Europeia e os países beneficiários da cooperação monetária sejam facturadas em euros”.

Tal decisão seria o resultado da retirada do comércio entre os países europeus e os países africanos da zona do franco do domínio do dólar, que ainda é a primeira moeda nas notas mundiais. Uma vez que as vendas desses países dependem da evolução do dólar e as suas compras, da cotação do euro, a queda do dólar em relação ao euro leva automaticamente a uma diminuição do seu poder de compra e uma diminuição das suas receitas, o que pode, em alguns casos, levar a uma recessão.

Em relação a este último, as diferenças na cotação do dólar são um grande fator de incerteza, o que tornará a escolha do euro como moeda de faturamento potencialmente reversível. Finalmente, esta decisão pode criar uma nova vantagem geopolítica importante para os interessados: ao substituir o uso do dólar como moeda de faturamento para um grande número de operações econômicas pelo uso regular do euro, a nova cooperação monetária terá o potencial de proteger Comércio euro-africano fora dos limites territoriais da lei dos EUA.

A consolidação da cooperação monetária franco-africana a nível da União Europeia dará um novo impulso às relações entre a Europa e África. Irá encorajar a criação de um guarda-chuva financeiro e monetário europeu menos sujeito a erros para os beneficiários africanos do que o mecanismo que o precedeu, uma vez que seria assegurado por um orçamento garantido pelos 27 Estados-Membros da União Europeia.

See also  Grande corretor vítima de ataque cibernético

Além disso, não há mais suspeitas de que a França esteja usando a parceria em dinheiro em seu benefício, pois a garantia será compartilhada. Livrando-se de qualquer suspeita de neocolonialismo, esta nova parceria poderá ter por missão substituir a cooperação monetária que Portugal mantém com o arquipélago de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe e abrir-se a outros países da África subsaariana como a Guiné-Conacri e Gana na África Ocidental; A República Democrática do Congo e Angola estão na África Central, que precisam de estabilidade monetária para se desenvolver

Se esta divisão for aceite pelos membros do Conselho Europeu, poderá encontrar o seu lugar bem entre as competências já exercidas ao nível da União Europeia: política monetária e política comercial comum, nos termos do artigo 3.º do Tratado de Acção da União Europeia União (TFUE), as competências exclusivas da União Europeia, enquanto a política de cooperação para o desenvolvimento é uma competência partilhada, exercida tanto pelos Estados-Membros da UE como a nível do grupo, em conformidade com o artigo 4.º do TFUE.

Este agrupamento teria a vantagem de promover uma maior coordenação das políticas comerciais dos países europeus da África subsaariana, embora até agora tenham competido entre si e sofram de falta de consulta, especialmente a respeito deles. Concorrentes não europeus.

No devido tempo, a “europeização” da política de cooperação monetária francesa pode ser considerada como resultado da decisão do Conselho da União Europeia de 23 de novembro de 1998, que colocou a cooperação monetária franco-africana sob o controle de instituições europeias, mantendo a segurança financeira e a responsabilidade política do acordo são da exclusiva responsabilidade da França.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *