Após um acidente que matou 55 imigrantes ilegais, o México pediu a Washington que mudasse sua política de imigração

Mexico | O México pediu aos Estados Unidos, na sexta-feira, uma revisão de sua política de imigração, após a morte de 55 imigrantes irregulares em um acidente de caminhão no sul do país, segundo o último relatório.

• Leia também: Julgamento de Ghislaine Maxwell: Fim do interrogatório dos promotores

Segundo as autoridades, a tragédia deixou 105 feridos, três deles gravemente.

A maioria das vítimas eram cidadãos da vizinha Guatemala (95 dos feridos), passageiros escondidos e amontoados no trailer do caminhão, segundo a Guarda Nacional Mexicana.

As vítimas estavam a caminho de Puebla, no norte, e possivelmente para a fronteira com os Estados Unidos, quando o caminhão capotou na noite de quinta-feira em uma rodovia perto de Tuxtla Gutierrez, capital do estado de Chiapas, que faz fronteira com a Guatemala.

“Toda pessoa que busca uma vida melhor merece segurança e dignidade”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. O Papa Francisco também disse que estava “extremamente arrependido”.

O presidente mexicano, Andres Manuel Lopez Obrador, convocou durante uma coletiva de imprensa a “conscientização” e a consideração de “questões fundamentais”. Migrantes da América Central e do Haiti estão cruzando o México para os Estados Unidos em números recorde este ano.

O chefe de estado afirma ter defendido esta posição durante uma reunião com o presidente Joe Biden em meados de novembro. “Este não é um assunto simples para o presidente Biden”, acrescentou.

“Continuaremos a dizer com insistência que o problema da imigração não pode ser resolvido com medidas coercivas, mas é necessário dar oportunidades de emprego e bem-estar aos imigrantes”, acrescentou o presidente.

Na Cidade do México, a embaixada dos Estados Unidos disse em uma mensagem de condolências no Twitter que essa tragédia “ilustra por que somos instados a não arriscar a vida por meio da imigração ilegal”.

See also  Retirada do Afeganistão | Um porta-aviões e dois bombardeiros para proteger os americanos

Para o ACNUR, precisamos de “alternativas à migração e canais legais abertos para evitar tragédias como esta”.

O incidente ocorreu no mesmo dia em que os dois primeiros imigrantes dos Estados Unidos foram devolvidos ao México sob um programa estabelecido pelo ex-presidente Donald Trump (2017-2021) e interrompido por Joe Biden, mas reativado por uma decisão do Supremo Tribunal dos EUA .

Os migrantes devem esperar no México para obter uma resposta ao seu pedido de asilo nos Estados Unidos, de acordo com este programa denominado “Quedate en Mexico” (o resto no México).

número recorde de imigrantes

O Instituto Nacional de Migração (INM) concedeu autorização de residência humanitária temporária para sobreviventes do acidente, que foram atendidos em hospitais da região.

O comandante da Guarda Nacional, Luis Rodriguez Bosio, observou que os migrantes haviam entrado “por vários dias” pela fronteira com a Guatemala. Bossio disse que o caminhão era propriedade de uma empresa mexicana e que seu motorista fugiu.

No local, os moradores participaram dos primeiros socorros.

Havia muita gente no terreno, algumas já tinham morrido. Isaias Diaz, que chegou poucos minutos depois da tragédia e foi visivelmente afetado, disse: “Eu vi cinco ou seis crianças feridas. Pessoas com ferimentos nas pernas, costelas, cabeça e pescoço estavam por toda parte”.

O presidente da Guatemala, Alejandro Giamatti, prometeu “toda a assistência consular necessária, incluindo repatriações” em uma mensagem de condolências no Twitter.

Falando em frente a um hospital em Tuxtla Gutierrez, onde os feridos ainda estão em tratamento, o chanceler da Guatemala, Pedro Brolo, anunciou que a Guatemala emitirá um decreto de três dias de luto nacional.

Ele também decidiu com seu homólogo mexicano criar um grupo internacional responsável pelo desmantelamento da rede de traficantes que estava na origem da tragédia.

See also  Sul da Califórnia foi atingido por derramamento de óleo

O acidente ocorreu no estado de Chiapas, porta de entrada de imigrantes da América Central (principalmente Honduras e El Salvador) que pretendiam chegar aos Estados Unidos.

Transportá-los é um método comum usado por contrabandistas.

Outros migrantes preferem atravessar o país em uma “caravana” a pé, aproveitando para reivindicar seus direitos.

O tradicional passe, o México enfrenta este ano com recorde de chegadas de imigrantes, não só de Honduras e El Salvador, mas também do Haiti.

De janeiro a outubro, o país registrou 108.195 pedidos de asilo, número recorde, segundo os últimos dados oficiais.

Por sua vez, os Estados Unidos mostram firmeza para com eles. O secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, alertou durante uma visita ao México no início de outubro que a viagem era “muito perigosa e não teria sucesso”.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published.