“André Ventura será um fazedor de reis” – Liberation

Depois de terem sido chamados às urnas no domingo para eleger o seu presidente, os portugueses votaram no candidato cessante Marcelo Rebelo de Sousa, um resultado mais do que o esperado. Mas as eleições também foram marcadas pela forte penetração de um populista de extrema direita: André Ventura. Esse candidato chauvinista, racista e xenófobo obteve 11,9% dos votos, quase dez vezes o que era em 2019 quando foi eleito deputado. A sua entrada no Parlamento português já tinha provocado muita tinta, sinalizando o regresso da extrema direita ao cenário nacional, pela primeira vez desde o fim da ditadura do Estado Novo, em 1974. André Ventura, especialista em português contemporâneo história e período salazarista, comprovada na EHESS, no domingo tornou-se agora uma figura central na política portuguesa.

Claro, o presidente em grande parte cessante foi reeleito, mas não deveríamos ver Andre Ventura como o grande vencedor da noite?

Para mim, existem duas lições principais, para além da eleição de Marcelo Rebelo de Sousa, o que não é surpreendente: o colapso da esquerda e a consolidação sólida de Shiga. [«Ça suffit», ndlr]E a Concerto de Andre Ventura. Sabíamos que ele iria fazer um grande avanço, ele também insistiu que seu objetivo era terminar em segundo, acumulando pelo menos 15% dos votos e esmagando o que ele chama de Esquerda Radical. Neste ponto, ele falhou, a candidata socialista Anna Gomez acaba bem na frente dele. Mas, graças a essas eleições, e como ele indicou em seu discurso após os resultados, ele sabe que teremos que contar com ele e com Shiga nas próximas eleições.

Durante a campanha, Ventura também se tornou um verdadeiro sujeito político, e não falamos de nada além dele. Foi ele quem fixou os debates, e os demais candidatos não tiveram outra escolha senão se posicionar em relação ao seu programa. Na noite de domingo, esse ainda era o tema principal das discussões. Então, sim, é uma vitória para ele.

READ  Fórmula 1 | Williams suou para consertar meu carro de Fórmula 1 bem a tempo de Portimão
Que papel ele poderia desempenhar nos próximos anos?

No momento, ele é o único membro de seu partido, então seu peso é muito fraco. Mas é preciso compreender que as eleições legislativas em Portugal decorrem de forma proporcional e, portanto, este apoio é necessário à formação do governo. Por ser responsável por cerca de 12% da população que fala nas urnas, André Ventura se tornaria um fazedor de reis.

Vários partidos de direita já haviam pensado na possibilidade de uma aliança com ele, desde que se reunisse em torno de certos ângulos e fosse moderado em certas posições. À luz de suas descobertas no domingo, arriscamos a transição de hipóteses para alianças concretas.

Quais foram seus principais temas de campanha?

Desde fevereiro passado e entrando na corrida presidencial, ele brincou com a imaginação da esquerda revolucionária, radical e comunista. Para ele, tudo está à esquerda do PSD [le Parti social-démocrate, centre droit]E a É o comunismo. Ventura s’est aussi présenté comme un candidat antisystème face à un régime corrompu, porte-parole du petit peuple, adotante un discours contre le politiquement trou correct that l’onve chez certas figuras de l’extrême ouite en France como Eric Zemmour Marine the caneta.

Leia tambémMarine Le Pen em Lisboa para relançar as suas “Alianças Nacionais”

Também permitiu colocar um discurso anti-Roma às portas da Assembleia Nacional, que ele apresenta como pessoas sujas e ladrões, que ressoa em muitos portugueses. Quando a primeira emergência de saúde foi suspensa, eles receberam até mesmo a oferta de prisão nos campos, alegando que seu estilo de vida questionável poderia ser um vetor.

READ  Porto de Parigny-Sendo: Portugal vai construir o terminal petrolífero
No entanto, até muito recentemente, muitos elogiavam a “exceção portuguesa” e o facto de o país parecer isolado da retórica de extrema direita …

Até 2019, quando o Chiga chegou à associação, fui um dos que falava da exceção portuguesa. Para usar a expressão de Yves Léonard [un enseignant-chercheur à Science-Po spécialiste du Portugal]E a O aniversário de 25 de abril e a Revolução dos Cravos foi uma tela. Não que a extrema direita não existisse, mas foi um fenômeno marginal que não conseguiu penetrar nas várias eleições.

Sempre houve manifestantes, pessoas que apoiaram a retórica anti-regime, mas eles não votaram. O que André Ventura conseguiu, ao surfar na onda de populismo e extrema-direita que varreu a Europa, é mobilizar esses eleitores que falaram nos bares locais e não nas urnas. Agora será necessário saber se esse fenômeno continua durante as próximas eleições, em outubro para as eleições municipais e em 2023 para as legislativas.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *