Afeganistão: os militares dos EUA querem realocar seus soldados na área

O comandante das forças dos EUA disse hoje, terça-feira, que os militares dos EUA vão iniciar negociações com vários países próximos do Afeganistão para realocar forças na região após a sua retirada do país, a fim de evitar o ressurgimento da Al-Qaeda . Kenneth Mackenzie.

Leia também: O Afeganistão é onde os impérios falham

Leia também: Oito familiares foram mortos a tiros em uma mesquita

O general McKenzie, chefe do Comando Central do Exército dos EUA (Centcom), disse ao Congresso sobre a retirada dos EUA do Afeganistão.

O objetivo é poder continuar as operações de vigilância e reconhecimento do território afegão após a retirada das forças da coalizão internacional que entraram no Afeganistão após os ataques de 11 de setembro de 2001, que a Al Qaeda realizou na época com o apoio do Talibã.

Embora tenham prometido impedir qualquer ataque em solo americano após a retirada das forças estrangeiras, os militares americanos temem que a retirada da coalizão permita o retorno de grupos jihadistas como a Al Qaeda ou o Estado Islâmico (ISIS). O risco de colapso do governo afegão.

“Faremos uma revisão de todos os países da região, nossos diplomatas se comunicarão com eles e discutiremos onde podemos colocar esses recursos”, acrescentou o militar durante uma audiência na sala de representação das Forças Armadas.

Ele ressaltou que “até agora, não temos esse acordo.”

O general MacKenzie se recusou a especificar a extensão dessa redistribuição ou países previstos, mas disse que pretende apresentar opções ao secretário de Defesa Lloyd Austin “até o final do mês”.

E levantou a possibilidade de ataques aéreos de países vizinhos.

Ele frisou que esse tipo de operação “requer grande apoio dos serviços de inteligência”, lembrando que os Estados Unidos perderão esse apoio com a retirada, que terá início em primeiro de maio e terminará em primeiro de maio.

READ  Joe Biden vai finalmente aumentar o teto para a recepção de refugiados

Ele ressaltou que quando “sairmos do país e não tivermos esse ecossistema que temos atualmente … não será impossível, mas será difícil”.

O diretor da CIA, William Burns, admitiu na semana passada que “quando os militares dos EUA se retirarem, a capacidade do governo de reunir inteligência e contra-ameaças diminuirá”. Mas ele prometeu que a CIA preservaria “capacidades” no Afeganistão. “Alguns ficarão lá e alguns serão criados”, acrescentou.

Alemanha planeja retirar-se do Afeganistão em 4 de julho

Um porta-voz do Ministério da Defesa alemão disse na quarta-feira que a Alemanha planeja retirar suas forças participantes do Afeganistão a partir de 4 de julho, enquanto os militares dos EUA devem deixar o país até 11 de setembro.

“Por enquanto, as repercussões avançam (…) no sentido de encurtar o período de retirada. O porta-voz disse à AFP que a decisão final cabe à OTAN.”

E os aliados da OTAN anunciaram na última quarta-feira sua decisão de começar a retirar suas forças que participam da missão no Afeganistão até primeiro de maio, para concluí-la “dentro de alguns meses”.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *