Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

«Esta não é a 4ª Revolução Industrial, mas o aprofundamento da 3ª, a Revolução Tecnológica»

«Esta não é a 4ª Revolução Industrial, mas o aprofundamento da 3ª, a Revolução Tecnológica». A afirmação é de Mira Amaral, presidente da Sociedade Portuguesa de Inovação, e um dos oradores do painel da conferência “Inovação empresarial: Indústrias 4.0, o nascer de uma nova era?”, promovida dia 26 de Outubro, no Portugal Industries Center (PIC), na Batalha.

Mira Amaral destacou ainda a importância de «uma maior ligação ensino/empresas» e do «reforço da aposta na formação de quadros intermédios», para que as empresas e a sociedade retirem mais partido deste movimento.

Segundo Vítor Hugo Ferreira, director executivo da D. Dinis Business School – e outro dos oradores do painel – tanto o IPL como a D. Dinis Business School têm procurado ir ao encontro dessa necessidade, tendo o IPL apostado num estudo que visava precisamente perceber quais as necessidades de formação da região, e que serviu de base à definição da oferta formativa agora existente.

Já o terceiro orador convidado para o painel, Paulo Martins, director de Marketing e Inovação da inCentea, resslavou que esta designada revolução só será verdadeiramente importante se servir as pessoas, pelo que deverá ter bem presente as suas necessidades e objectivos. O responsável destacou ainda a importância de a revolução tecnológica ser acompanhada de uma revolução cultural, e exemplificou com uma das vertentes em causa, ao afirmar que «o maior problema da segurança informática é o ser humano».

Em debate esteve também o facto de a inovação radical conduzir à perda de postos de trabalho, uma questão a que a política económica deverá de estar atenta, mas «sem travar o movimento», advertiu Luís Mira Amaral.

A sessão de abertura do evento foi conduzida por Helena Antunes, gerente da Aidlearn, que apresentou o projecto “Towards a More Innovative Workplace” (InnoWork), financiado pelo Programa ERASMUS+, tendo salientado o objectivo de reforçar a capacidade de competitividade e inovação das PME, através de formação prática adaptada às suas necessidades.

Representados no evento estiveram também a Associação Portuguesa de Criatividade e Inovação (APGICO), pelo seu presidente Fernando Sousa, e a Câmara Municipal de Leiria, através do vereador Gonçalo Lopes, que na sua intervenção salientou a importância de as empresas se ajustarem aos novos desafios emergentes da inovação empresarial.

 

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.

AKI investe 500 mil euros na renovação da loja de Leiria

O AKI investiu 500 mil euros na renovação da loja de Leiria e está em processo de recrutamento de seis novos colaboradores. O objectivo passa por «reforçar o seu conceito de proximidade junto dos leirienses e actualizar a nova imagem da marca», explica a empresa em comunicado.