Salvador | A demissão de juízes do Supremo Tribunal gera crise política

(San Salvador) Uma tempestade política abala El Salvador depois que o Parlamento votou pela destituição dos juízes da Suprema Corte hostis ao presidente Najib Boukil, uma decisão que a oposição descreveu como um golpe e gerou preocupações internacionais.


Carlos Mario Marquez
France Media

Os aliados do presidente, que conquistaram a maioria absoluta desde as eleições de fevereiro, durante sua posse no sábado, demitiram todos os juízes da Câmara Constitucional da Suprema Corte por emitirem decisões “arbitrárias”.

Os parlamentares também votaram a favor da demissão do procurador-geral de El Salvador, Raul Millara, que é considerado próximo a um partido de oposição.

Foto de Jose Cabezas, Reuters

Policiais compareceram ao gabinete do Procurador-Geral quando a sua demissão foi votada por membros do Parlamento.

E o povo salvadorenho disse por meio de seus representantes: Respeitado! O Sr. Buckili, que está no poder desde 2019, deu as boas-vindas a este país centro-americano, uma vez que minou a classe política tradicional que estava desacreditada por questões de corrupção.

O presidente de 39 anos, conhecido por seu desejo de combater o crime organizado e a insegurança, se opôs várias vezes ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria-Geral da República.

Os juízes destituídos, imediatamente indicados pelos representantes majoritários que os substituiriam, recusaram-se a deixar seus cargos, alegando “a inconstitucionalidade do decreto de destituição”.

A minoria parlamentar, o partido de direita ARENA e os ex-militantes da extrema esquerda da Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) condenaram a tentativa de golpe.

René Porteau, eleito da Arena para o Parlamento, respondeu: “O que aconteceu ontem à noite na Assembleia Legislativa com uma maioria que o povo deu para si votando é um golpe.” “Como um grupo parlamentar, não seremos cúmplices deste golpe”, acrescentou Annabelle Peloso, bolsista da FMLN.

READ  O papel da formação | Washington aceita a retirada de suas forças de combate que ainda estão no Iraque

Aviso americano

Os Estados Unidos criticaram a medida e alertaram que ela poderia prejudicar as relações de El Salvador com os Estados Unidos.

O secretário de Estado Anthony Blinken falou com Neb Buckley por telefone no domingo, expressando a “grave preocupação” de Washington e “indicando que a independência do judiciário é essencial para a governança democrática”.

Retrato de Salvador Melendez, Editora de Arquivos

Presidente Neb Bockel

Ele também criticou a demissão de Raul Millara, “que luta contra a corrupção e a impunidade e é um parceiro efetivo nos esforços contra o crime nos Estados Unidos e em El Salvador”.

“Condeno as ações tomadas pela autoridade política para desmantelar e enfraquecer a independência judicial dos juízes, removendo membros da Câmara Constitucional”, escreveu no Twitter Diego Garcia Sayan, relator especial da ONU sobre a independência de juízes e advogados.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) também denunciou a medida, afirmando que “o respeito integral ao Estado de Direito é essencial”. “As medidas que levaram à sua erosão e à anexação do judiciário levam apenas a uma sociedade injusta, baseada na impunidade e na perseguição política”, disse ela em nota.

Várias ONGs também deram o alarme.

Esta é uma situação muito arriscada. “Estamos brincando com fogo e isso pode agravar a crise a ponto de não conseguirmos sair dela”, disse Miguel Montenegro, coordenador da Comissão de Direitos Humanos.

De acordo com o diretor executivo da Human Rights Watch, José Miguel Vivanco, “Buckili viola o estado de direito e tenta concentrar todos os poderes em suas mãos”.

Buckley foi eleito em 2019 para um mandato de cinco anos e, desde as eleições parlamentares de fevereiro, ele controlou 61 das 84 cadeiras no Congresso unicameral, uma situação sem precedentes desde os acordos de paz de 1992 que encerraram 12 anos de guerra civil.

READ  Trump e Facebook: o problema continua sem solução

As tendências autoritárias do presidente Buckley – ele chegou ao ponto de invadir o Parlamento há um ano com policiais e militares fortemente armados para pressionar os parlamentares – renderam-lhe muitas críticas de seus oponentes.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *