Mais vendida em São Paulo: Cebu de Messias, 50 anos

Existem títulos paulistanas nativos de São Paulo, escondidos em títulos imperdíveis como Paulista ou MASP. Como esta livraria do centro: uma joia para quem gosta de livros.

uma Sebo É um local onde se vendem livros usados. Lingüisticamente, a palavra significa sebo por causa de seu uso. Meca para este tipo de biblioteca está localizada em São Paulo, no centro da cidade. Mais precisamente nas ruas próximas à Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, até a Sé Catedral.
Entre eles, o monumento mais famoso fica ao lado da Igreja de São Gonçalo. É propriedade do Sr. Messias e leva o nome do seu proprietário: “Cebu de Messias”. Este sebo foi inaugurado há 50 anos. Seu público é tão amplo quanto seu catálogo: atendeu gerações de estudantes de direito que vieram comprar símbolos cívicos usados ​​e muito caros em bibliotecas, aposentados que querem ler os livros de ontem, ou “intelectuais”, aqueles regulares abrindo caminho entre os livros e prateleiras.

Folha da floresta amarelando

Da entrada você pode ver: uma floresta de papel amarelo. De cima a baixo, molduras alinham-se nas paredes, e também vemos aglomerados de pequenos carros, brinquedos antigos e instrumentos musicais armazenados misturados nas janelas. A maioria deles não está à venda, pois tudo está na coleção particular do Sr. Messias.
No andar térreo, varia do esotérico à administração, passando por história das religiões, arte, história, etc. Basicamente, são livros infantis. Para os viciados em música antiga, faça o primeiro juramento e você estará no paraíso: vinil, fitas cassete e CDs. No primeiro andar, há romances, revistas, livros de turismo e muito mais. O mezanino, espremido entre os dois andares, contém uma seção exclusiva de mangás.

READ  Os democratas garantem o controle do Senado

Arrume meu cabelo

Quando estamos lá, todos os nossos sentidos despertam: sentimos o cheiro de papel amarelado e madeira velha, tocamos a gordura de um livro, ouvimos canções antigas e conversamos sobre literatura. Ficamos maravilhados com a disposição das coisas. O sistema está uma bagunça. Porque, é claro, os livros são organizados em seções – e a equipe trabalha muito para manter isso organizado – mas a tarefa é tão difícil que os livros se misturam na maior parte. Eles são mais ou menos classificados pelo autor, mas às vezes vemos Rousseau em Vs como Voltaire. Hugo esfregando os ombros com Asis. Anne Frank fica cara a cara com Madre Teresa de Calcutá. Como se houvesse um espírito zombeteiro que os coloca de acordo com seu estado de espírito, segundo princípios que vão além da ordem alfabética, uma espécie de arranjo poético, senão educado.

A felicidade de procurar

Os tópicos são tão amplos quanto a escolha dos idiomas: português para a maioria das obras, mas também existem algumas obras em francês, alemão, holandês, japonês, chinês e russo. Primeiras edições, livros assinados pelo autor, livros com mais de cem anos … aí encontramos de tudo (por exemplo, para apreender, um exemplar do diário de guerra do general de Gaulle de 1959 em francês por apenas 30 reais).
Os preços variam de acordo com vários critérios: popularidade, versão, status, raridade … Porém, não são excessivos e você sempre encontrará o que procura. Na verdade, podemos dizer que na Sebo do Messias o principal produto não são apenas os próprios livros, mas a alegria que eles nos proporcionam na busca por eles. Viemos por um endereço, começamos com uma pequena pilha. E essa felicidade, além da viagem no tempo, exige apenas o esforço de cruzar a soleira, na Praça Dr. 140 João Mendes. Podemos cruzar estradas lá.

READ  Liga Europa: Eindhoven vence, mas está fora do Olympiacos

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *