O que vemos na noite de sábado, 22 de maio? “Este é querido agosto”, no OCS

No coração de Portugal, Miguel Gómez retrata a vulnerabilidade do verão e da adolescência, entre fogos, bailes de aldeia e um cinema.

Foi descoberto em Cannes em 2008. Este é o mês de agosto Escrito por Miguel Gomez, ele transmite uma sensação de abundância que eleva sua autora ao posto de jovem cineasta mais valiosa da atualidade. Este é um filme em duas partes, improvisado e escrito ao longo de dois capítulos, cujo visual deslumbrante é incessantemente reinventado, mas com ruptura invisível e sutileza sutil.

Verão português

Gomez registrou uma série de incêndios em agosto ali. Delicada paisagem envolvente, envolvida por incessantes incêndios florestais. Uma zona no coração de Portugal, deserta fora de época mas invadida pela multidão de quem todos os anos regressa para atravessar o verão entre a onda de calor e os bailes de aldeia cujos tradicionais hinos, romances e doces tragédias se cruzam na história. Isso finalmente é para o trio de amor incestuoso, um pai solteiro abertamente solitário e dois adolescentes adoráveis ​​que mudam de filme no meio do caminho.

Documentário de ficção

No início dessa disfunção está a jornada documental da câmera ótica de Gomez, das praças das aldeias aos bailes, da contra-fotografia de precisão à caça de javalis à luz dos faróis, de camponeses a reis de karaokê – fotos que nunca tomam cenários pitorescos como base para o cartão postal. De cena em cena, o clima da Epifania flui com um apêndice sonhador, à medida que o focinho aparece com cautela, nas dobras da meditação. É uma questão de casar com a preguiça de Augusto e assumir sua vibração e velocidade.

READ  Aviso de tempestade: Queda de neve de 15 a 25 cm é esperada esta semana em Quebec!

A gente vai entendendo aos poucos que o filme é isso, essa área capturada por um divertido tour de games, bandas de música, fogueiras, shows e mitos de postes de bar. Mas no fluxo silencioso de um documentário sazonal, o mesmo ocorre com o fluxo da imaginação, o pulsar da história. E enquanto as silhuetas da primeira parte se movem para lá, elas de repente se tornam personagens de melodramas de entretenimento.

O melodrama se desfaz em uma onda de risos misturados com lágrimas, e o filme termina com uma sequência muito bonita e muito divertida, em que Gomez briga com o engenheiro de som que, ao invés de registrar as cenas em sua realidade nua e disforme, continua a aproveite o farfalhar. Parece que só vai ouvir, o que na opinião do diretor não estaria presente na retrospectiva do cineasta mascarando a realidade sem imaginação para, em um momento final, celebrar melhor o cinema como agente de reinventar o mundo, esse é o último truque Gomez idealizada – e qual a forma mais generosa de assinar a etapa Muffled de seu produto?

Este é o mês de agosto Por Miguel Gomes Disponível no OCS.

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *