Naufrágio de migrantes no Canal da Mancha: um ‘filme de terror’

‘Filme de terror’, chocante como nenhum outro no mar em 21 anos: Carl McEwengen, o pescador que deu um alerta na quarta-feira sobre o pior drama da imigração do Canal da Mancha, ainda é assombrado por imagens dos cadáveres flutuantes de párias.

“Ver tantos mortos como estes ao nosso lado, é mesmo um filme de terror”, conta a alguns jornalistas que o pescador, que acabava de desembarcar, no meio da noite de quinta para sexta-feira, do barco de pesca que estava trabalhando no segundo, no porto de Boulogne-sur-Mer (Norte).

• Leia também: 27 migrantes morrem em naufrágio no Canal da Mancha

• Leia também: Johnson exorta a França a retornar os migrantes que cruzam o Canal da Mancha

Este homem barbudo em um terno azul é tão chocante, sua voz rouca de emoção, agora só aspira a uma coisa: “abraçar seus filhos” em seus braços.

O afogamento de quarta-feira custou 27 vidas, 17 homens, sete mulheres e três jovens, de acordo com a justiça francesa.

Na quarta-feira, foi ele quem viu o primeiro corpo na superfície da água, da ponte do barco, Saint-Jacques II. Ele diz que viu então “cerca de quinze”, “pessoas mortas, crianças”.

“Quem não tinha colete salva-vidas, a gente não via”, explica o pescador, com exceção de um “de preto” e de “camisa xadrez”. Assim, “Eu o vi porque ele passou a dois metros do barco, e não era nem um metro”, diz ele, prestes a chorar.

De imediato, os pescadores avisam Cross Gris-Nez – o centro regional que monitora o canal e organiza diariamente o resgate de migrantes em dificuldade – e apresentam sua posição.

“A Guarda Costeira não estava longe, a três quilômetros de nós. Eles vieram imediatamente.”

See also  Acesso ao voto das minorias | Democratas aumentam pressão no Senado

Assombrado por imagens vistas no mar, Carl McEwengen escreveu: “Se tivéssemos chegado 5 minutos antes, poderíamos tê-los salvado. Não podemos dormir. Depois de fechar os olhos, você vê o corpo novamente.”

“Estávamos até com medo de puxar as redes por medo de ter uma dentro.”

“É a primeira vez que isso acontece comigo, é uma sensação estranha”, explica o experiente pescador, com 21 anos de profissão.

No entanto, os migrantes que tentam chegar à Inglaterra em barcos frágeis fazem parte de sua vida diária há meses. E principalmente a partir deste verão, que viu um aumento no número de travessias: “Todos os dias, a cada meia hora, há alguns”.

Até 20 de novembro, 31.500 migrantes deixaram a costa francesa para a Grã-Bretanha desde o início do ano.

“Cross nos disse que enquanto eles não pedissem ajuda e o motor ainda estivesse funcionando, não poderíamos levá-los a bordo. Não os levamos a bordo, ouvimos Cross”, ele explica.

Este drama, “Acho que é o primeiro, mas não será o último.” Se as autoridades não fizerem nada, então haverá algo todos os dias, especialmente neste momento, com o início do mau tempo.

“Na minha opinião, não demoraria muito para que morressem” em um mar nesta temperatura, de 10-12 graus.

Nos anos anteriores, as tentativas de cruzamento diminuíram com o início da má temporada, mas este ano continuou em um ritmo muito forte, com novos recordes sendo alcançados, como 11 de novembro, quando 1.185 migrantes conseguiram reunir as costas inglesas.

Karl McEwengen diz que não sente raiva, ele se sente impotente. “Com quem você quer que eu fique com raiva?” Não podemos fazer nada. Ou abrir o túnel sob o canal, pelo qual muitos exilados passaram antes que fosse fechado.

See also  Ele está no hospital desde quarta-feira | Jair Bolsonaro pode partir nos 'próximos dias'

Apesar do choque, ele voltará ao mar nos próximos dias. “É nosso trabalho, temos que voltar para o navio. Você tem que alimentar bem sua família.”

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *