O Atlético de Madrid, favorito ao título contra dois gigantes em reconstrução

Está soprando como os ventos da revolução na Espanha, especialmente do lado de Madrid. Sua Alteza Felipe VI não arrisca nada, fique tranquilo, mas duas instituições vivem momentos mais ou menos difíceis: o Real Madrid, em plena transição, e o Barcelona, ​​enredado em galés econômicas sem precedentes. Já precedido pelo Atlético de Madrid da temporada passada – campeão pela décima primeira vez em sua história – os dois gigantes da Península Ibérica se preocuparam antes de a La Liga recomeçar neste fim de semana, em 15 de agosto. Porque o favorito, não era habitual, é o Atlético de Madrid comandado por Diego Simeone.

No dia 22 de maio, na noite do dia 38, Colchoneros teve um verão tranquilo, ao contrário dos campeões da Itália e da França (Inter de Milão e Lille, que perderam o treinador). Mas, acima de tudo, ao contrário do Real Madrid e do Barcelona, ​​os habituais candidatos ao título da Espanha. Clube de tradição trabalhista, o Atlético continua sua revolução sem abrir mão de seus fundamentos.

No banco, o estrategista argentino Diego Simeone estreou sua décima temporada no clube. Al-Shulwu anunciou várias vezes sobre sua partida nos últimos anos, estendendo seu aluguel até 2024 no início do verão. Um técnico brilhante, ainda classificado como estrategista defensivo apesar do jogo que seus homens fizeram na última temporada, formou seu grupo em Madri, onde é dono do clube. No verão também teve o luxo de guardar os seus melhores elementos, como Luis Suarez, que ainda era um íngreme de 34 anos, ou o hard block português João Félix, sem falar do campeão mundial de 2018, Thomas On Tuesday.

See also  El Ganso joga um spinner com o grupo "Be Trazable"

Um grupo que não se enfraqueceu ao longo do verão, que tem sido reforçado pela chegada de dois já: o bloco luso-brasileiro Marcos Paulo, e principalmente o meio-campista argentino Rodrigo de Paul, que acaba de vencer a Copa América e foi descoberto há 35 milhão. euro. Estabilidade, confiança e um toque de modernidade: tudo parece dar certo com o Atlético a marcar a primeira “dobradinha” em 71 anos. Mas o clube vai ter que aguentar uma situação tão inusitada para o principal favorito, que também se deve aos passes difíceis realizados pelo adversário.

Quanto ao outro clube da capital, o Real Madrid, a situação não é tão grave, mas o verão tem um gosto estranho para os torcedores do merengue. Zinedine Zidane saiu de cena, o que viu o regresso de Carlo Ancelotti, que passou efectivamente entre 2013 e 2015 com a décima Liga dos Campeões em jogo. Uma escolha sábia, mas incrível. Reforços laterais, os madrilenos, gratuitamente, receberam o austríaco David Alaba, uma boa jogada, enquanto o tão esperado ataque, para Kylian Mbappe, não será descartado nos próximos dias. Mas, fora isso, os companheiros de equipe de Benzema perderam em sua maioria dois pilares defensivos: Raphael Varane (ele deve assinar com o Manchester United muito em breve) e Sergio Ramos (Paris Saint-Germain).

Chegou então a hora da reconstrução do Real, que conta com fortes recursos financeiros e que pelo menos tem a vantagem de não ser um campo em ruínas como o Barcelona após a saída de Lionel Messi. Abatido pela crise econômica, o clube catalão foi forçado a se desfazer do diamante argentino, incapaz de pagá-lo sem violar as regras da La Liga sobre os salários do clube.

See also  Feminino 2022 Euro - Portugal: Anna Root convocada pela primeira vez na seleção

Para reforçar, os Blaugranas tiveram que se contentar com jogadores livres como reforços (Erik Garcia, Sergio Agüero, Memphis Depay). aqui novamente sócios Os catalães ainda não sabem se estes três recrutas podem ser incluídos na lista de jogadores que podem jogar na La Liga, ainda devido às mesmas preocupações financeiras … Apesar de tudo, o Barcelona de Griezmann ainda tem meios para desempenhar os papéis principais . Segundo ano de Ronald Koeman. E se nem o Real nem o Barcelona estão à altura de seus padrões, o Atlético terá que ser cauteloso com uma infinidade de facas cada vez mais afiadas, seja o Villarreal (último vencedor da Liga Europa), ou os dois clubes do Sevilla. A perseguição continua.

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *