“A Poesia de Portugal das Origens ao Século XX”, o calafrio e as alegrias da sudade

A poesia de Portugal desde as origens aos vinteNS século

Traduzido do português e apresentado por Max de Carvalho

Chandeigne, 1986 p., 49 €

Palavra intraduzível, mistura de alegria e tristeza, ‘alegria das trevas’ ganha vida pelos solavancos dos corpos daqueles que a pronunciam, cantam e dançam. esta palavra, Ausente, geralmente português, não fica melhor abalado e comovente do que quando se refugia no centro do poema.

Criada em 1992 e especializada nas literaturas do mundo lusófono, a Chandeigne Editions oferece uma fascinante antologia que capta a sua essência e cobre a arte poética de Portugal, após quase dez anos a ser explorada da mesma forma e com o mesmo tradutor desde Brasil. A presença de alguns poetas cabo-verdianos aqui, como João Vário, estabelece a ligação entre estes dois arquipélagos a partir do papel. O vasto panorama reúne 280 autores e 1100 poemas em uma versão bilíngue, que vão desde Livros de canções Seguido pelo trovador de 12NS Um século depois da prosa poética de uma geração de poetas imediatamente após a Segunda Guerra Mundial.

Lisboa, Portalegre, Faro …

Uma viagem ao coração de uma língua associada à sua terra, aos seus ventos e aos seus tremores, de Lisboa “a capital da saudade” a Portalegre, do Porto a Faro, “A Questão de Portugal” explora os temas e personagens recorrentes que materializam esta saudização : ondulações fantásticas, navios fantasmas, cães vadios ou FarinasOntem, todos os peixeiros sonhavam em se fundir em um novo império. “Portugal o futuro é um país / onde as aves puras são permitidas”, Roy Bellow (1933-1978) escreve.

A fim de distinguir os movimentos contínuos desta música queAustinato Repetindo os mesmos padrõesE Estrutura, Max de Carvalho optou por uma organização cronológica, atribuindo a cada poeta uma série de 2 a 10 textos na sua versão integral (salvo, de facto, peças excessivamente longas). As vozes regentes de Gil Vicente, Luís Vaz de Cam ويس es, Fernando Pessoa e António Nobre misturam-se a outros membros menos ouvidos deste grande coro. Depois de rastrear os períodos fundacionais, até a alegoria, dois terços da antologia se relacionam com os poetas do século XX.NS Século e a explosão da modernidade nasceu impressionante cantando nettagano, Seu nome vem dessas formas polifônicas típicas do sul do país.

See also  “Falamos com Aurélien Tchouaméni”

longa travessia

em um “Eu sou um pastor / um rebanho, estes são os meus pensamentos / E os meus pensamentos são todas as sensações” De Pessoa, por exemplo, responde, “ Não posso falar com a terra inteira / vou contar um segredo ao ouvido de alguém »Da poetisa Luisa Neto Jorge (1939-1989). O lirismo aí se instala, muitas vezes matizado com aquela melancolia que não para de se reformular. “Estas são as palavras cruzadas dos meus sonhos / Palavras enterradas na prisão da minha vida / Todas as noites no mundo são uma longa noite / Numa sala solitária”, Glorificação do Ince por Antonio Ramos Rosa (1924-2013).

→ Leia. “O Nome do Amor” por Nuno Giudice

Uma longa jornada, tornada especialmente agradável e emocionante pelo cuidado que foi dispensado ao planeamento e pela presença de uma centena de páginas de “supostas imagens”. Os resumos animados da carreira de cada autor, destacando a singularidade e o entrelaçamento de seus caminhos criativos. Uma história intensa e encarnada desta poesia, quando Manuel Larangira (1877-1912) se pergunta: Mas se tudo vai à falência, / E a vida é uma piada / Para que serve a esperança / E por que ficar triste? “, Penetra de um para as sombras com suas próprias armas.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *