“A Poesia de Portugal das Origens ao Século XX”, o calafrio e as alegrias da sudade

A poesia de Portugal desde as origens aos vinteNS século

Traduzido do português e apresentado por Max de Carvalho

Chandeigne, 1986 p., 49 €

Palavra intraduzível, mistura de alegria e tristeza, ‘alegria das trevas’ ganha vida pelos solavancos dos corpos daqueles que a pronunciam, cantam e dançam. esta palavra, Ausente, geralmente português, não fica melhor abalado e comovente do que quando se refugia no centro do poema.

Criada em 1992 e especializada nas literaturas do mundo lusófono, a Chandeigne Editions oferece uma fascinante antologia que capta a sua essência e cobre a arte poética de Portugal, após quase dez anos a ser explorada da mesma forma e com o mesmo tradutor desde Brasil. A presença de alguns poetas cabo-verdianos aqui, como João Vário, estabelece a ligação entre estes dois arquipélagos a partir do papel. O vasto panorama reúne 280 autores e 1100 poemas em uma versão bilíngue, que vão desde Livros de canções Seguido pelo trovador de 12NS Um século depois da prosa poética de uma geração de poetas imediatamente após a Segunda Guerra Mundial.

Lisboa, Portalegre, Faro …

Uma viagem ao coração de uma língua associada à sua terra, aos seus ventos e aos seus tremores, de Lisboa “a capital da saudade” a Portalegre, do Porto a Faro, “A Questão de Portugal” explora os temas e personagens recorrentes que materializam esta saudização : ondulações fantásticas, navios fantasmas, cães vadios ou FarinasOntem, todos os peixeiros sonhavam em se fundir em um novo império. “Portugal o futuro é um país / onde as aves puras são permitidas”, Roy Bellow (1933-1978) escreve.

A fim de distinguir os movimentos contínuos desta música queAustinato Repetindo os mesmos padrõesE Estrutura, Max de Carvalho optou por uma organização cronológica, atribuindo a cada poeta uma série de 2 a 10 textos na sua versão integral (salvo, de facto, peças excessivamente longas). As vozes regentes de Gil Vicente, Luís Vaz de Cam ويس es, Fernando Pessoa e António Nobre misturam-se a outros membros menos ouvidos deste grande coro. Depois de rastrear os períodos fundacionais, até a alegoria, dois terços da antologia se relacionam com os poetas do século XX.NS Século e a explosão da modernidade nasceu impressionante cantando nettagano, Seu nome vem dessas formas polifônicas típicas do sul do país.

See also  The PSG boss is taking a big push abroad

longa travessia

em um “Eu sou um pastor / um rebanho, estes são os meus pensamentos / E os meus pensamentos são todas as sensações” De Pessoa, por exemplo, responde, “ Não posso falar com a terra inteira / vou contar um segredo ao ouvido de alguém »Da poetisa Luisa Neto Jorge (1939-1989). O lirismo aí se instala, muitas vezes matizado com aquela melancolia que não para de se reformular. “Estas são as palavras cruzadas dos meus sonhos / Palavras enterradas na prisão da minha vida / Todas as noites no mundo são uma longa noite / Numa sala solitária”, Glorificação do Ince por Antonio Ramos Rosa (1924-2013).

→ Leia. “O Nome do Amor” por Nuno Giudice

Uma longa jornada, tornada especialmente agradável e emocionante pelo cuidado que foi dispensado ao planeamento e pela presença de uma centena de páginas de “supostas imagens”. Os resumos animados da carreira de cada autor, destacando a singularidade e o entrelaçamento de seus caminhos criativos. Uma história intensa e encarnada desta poesia, quando Manuel Larangira (1877-1912) se pergunta: Mas se tudo vai à falência, / E a vida é uma piada / Para que serve a esperança / E por que ficar triste? “, Penetra de um para as sombras com suas próprias armas.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *