Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Falta de qualidade na distribuição de energia da EDP afecta competitividade das empresas

O inquérito realizado pela NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria aos seus associados e 250 Maiores Empresas do Distrito para avaliação da qualidade dos serviços da EDP conclui que o fornecimento de energia eléctrica é deficiente e influencia negativamente a competitividade das empresas do distrito, revela a NERLEI em comunicado.

Das empresas inquiridas, 91,8% afirma que foi afectada por cortes de energia no ano de 2009 e destas, quase 40% (39,3%) diz que os cortes de energia acontecem sempre que há mau tempo, não entendendo que tal aconteça pois consideram que a rede de distribuição deveria estar melhor preparada para resistir às condições atmosféricas adversas.

Apesar de as falhas/cortes de energia registados serem, na sua maioria, de curta duração (66,5% inferiores a 1 hora e 29% entre 1 e 4 horas), os seus efeitos na actividade das empresas são, mesmo assim, muito graves.

De uma forma geral as empresas são deveras penalizadas, sendo o efeito mais leve a diminuição de produtividade por paragem de trabalhadores, máquinas e equipamentos (apontado por 41,3% das empresas). De referir ainda os custos de avarias em máquinas e equipamentos provocados pelos cortes de energia, mencionados por 26,7% das empresas, e até o incumprimento de prazos de entrega (11,7%) e perda de clientes (3,6%). Das 379 empresas que sofreram cortes de energia em 2009, apenas 16,8% consideram que os efeitos desses cortes na actividade da empresa foram praticamente nulos. De salientar que várias destas empresas adiantam que isso (efeito praticamente nulo na actividade) se deve ao facto de terem adquirido UPS e geradores.

Quando questionados sobre as causas deste cortes/falhas de energia, apesar de 37,9% das empresas referir que são as condições atmosféricas adversas que estão na origem dos cortes verificados, é de salientar que 62,1% indica causas directamente imputáveis à empresa distribuidora: a falta de manutenção das linhas (27,18%) e a ausência de investimentos na actualização e modernização da rede face às necessidades actuais (34,92%).

A atribuição de responsabilidade à EDP pelas falhas/cortes de energia devido a falta de investimento na actualização e modernização da rede de distribuição é comprovada pela afirmação de grande parte dos inquiridos (55%) de que o problema das falhas/cortes registados em 2009 se arrasta há cinco ano ou mais.

Ao problema dos cortes/falhas de energia acresce a dificuldade em estabelecer um relacionamento fácil e eficaz com a EDP. Foi solicitado aos inquiridos que avaliassem 4 parâmetros: comunicação de avarias, resposta às avarias comunicadas, tratamento das reclamações e pedido de serviços técnicos. Em todos eles a maioria avalia os serviços como razoáveis, no entanto, nos parâmetros de “resposta às avarias” e “tratamento de reclamações” a avaliação é razoável mas com tendência para o “mau”. Muitas empresas, especialmente as que não têm gestor de conta, queixam-se do contacto muito impessoal que é falar com alguém que atende no call center para registar uma avaria que, além disso, não sabe dar informação concreta do que se está a passar no terreno. Não compreendem ainda o facto de a EDP não assumir os custos dos prejuízos causados nas empresas pelo deficiente fornecimento de energia eléctrica.

Este inquérito foi realizado pela NERLEI entre os dias 5 e 8 de Janeiro, por telefone, a 413 empresas, de um universo total de 668, amostra definida através de um processo aleatório simples pela via pessimista, com um erro máximo de 3% e um nível de confiança de 95%.

Fonte: NERLEI

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.