Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Turismo residencial decresce em Portugal nos próximos anos

O turismo residencial vai cair em Portugal nos próximos dois anos devido à crise económica, mas deve recuperar lentamente a partir de 2011, afirmou ontem uma especialista britânica, acrescentando que o país se deve manter fiel aos mercados tradicionais.

Muriel Muirden, directora da consultora Economics Research Associates (ERA) e especialista em projectos turísticos, identificou em Lisboa algumas oportunidades e desafios que se colocam aos «resorts» turísticos, sublinhando que os próximos dois anos vão ser difíceis para Portugal.

Os efeitos da crise atingiram duramente o Reino Unido, o principal motor do mercado de segundas casas no Algarve, e os preços das habitações só devem voltar a atingir os valores do ano passado em 2012, estimou a responsável da ERA.

Apesar de acompanhar a retracção britânica, Muriel Muirden acredita que Portugal é um destino de recuperação de médio prazo, graças aos desenvolvimentos turísticos recentes ou em curso, que considerou «muito interessantes».

«Quando os russos entram os outros tendem a sair»

A directora da ERA salientou ainda que Portugal se deve manter fiel aos seus mercados tradicionais, como o britânico, o alemão e o escandinavo, apesar da importância crescente do mercado russo com classes média e alta ansiosas por viajar e gastar.

«O apelo de Portugal vai manter-se para o mercado britânico. Devem manter-se fiéis aos mercados tradicionais» que têm tido bons resultados. Quanto ao facto de Portugal não estar a captar os russos, Muriel Muirden entende que «isso não é necessariamente mau, porque quando estes entram num mercado, os outros tendem a sair». «As aspirações são muito diferentes», justificou.

O golfe continua a dar cartas, mas há desafios a enfrentar, para satisfazer critérios ambientais e turistas mais exigentes. «O golfe já não é a âncora ideal para um resort, se estiver isolado», avisou.

Alentejo interior «tem de se posicionar de forma mais sexy»

A responsável da ERA frisou que Portugal mantém o seu potencial no Algarve e na costa, mas considerou que o Alentejo interior, sustentado pelo Alqueva, só vai funcionar «se se posicionar de forma mais sexy», valorizando a história, a gastronomia e o vinho.

«Tem de se desenvolver uma marca forte para o Alentejo, porque a escolha tende sempre a recair na costa. Tem de se criar uma vontade», afirmou, adiantando que a água do lago vai ser importante, «mas é preciso garantir a qualidade». Por outro lado, a relação preço/qualidade não deve ser demasiado ambiciosa.

Compradores querem estilo de vida e investimento seguro

A crise abriu os olhos aos compradores que querem garantir que a sua casa de férias proporciona um determinado estilo de vida, mas é também um investimento seguro. «Vamos ter compradores mais atentos, que avaliam melhor a relação preço-qualidade», comentou.

A consciência ambiental dos consumidores é outra das tendências a seguir nos «resorts», salientando-se também o papel cada vez mais destacado das celebridades que são capazes de pôr determinados destinos turísticos no mapa de férias.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.