Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Câmara de Óbidos quer adoptar soluções ecológicas nas construções

A câmara de Óbidos quer incentivar investidores e cidadãos a adoptarem soluções ecológicas nas construções e para isso apresentou hoje o projecto OB2 – Óbidos Sustentável – que presta aconselhamento nesta área, revela a agência Lusa.

Os técnicos do OB2 explicaram hoje durante uma conferência que vão elaborar entre outros, projectos de gestão e produção própria de energia, recuperação de águas e de efluentes, selecção de materiais com melhor desempenho energético e ambiental para os edifícios.

«O objectivo é promover medidas de eco-construção e a eficiência energética dos edifícios junto de todos os promotores e investidores do concelho e também para as construções municipais», explicou à Lusa Isabel Santos da EcoChoice, especializada em construção sustentável e energias renováveis.

A EcoChoice e a Óbidos Requalifica (empresa municipal responsável pela requalificação e reabilitação urbana de Óbidos) constituíram um consórcio para actuarem no sector da construção.

Os cidadãos interessados em obter esclarecimentos básicos sobre eco-construção terão direito aconselhamento gratuito.

O Ob2 aplica-se sobretudo às áreas da construção e das energias renováveis mas insere-se no programa mais vasto já lançado pelo município e que se denomina Óbidos Carbono Social. O Óbidos Carbono pretende pôr em prática 18 medidas que têm como principal objectivo contribuir para baixar em 40% as emissões de gases com efeitos de estufa até 2020.

«O objectivo da autarquia é criar condições para que Óbidos possa vir a ser certificada como vila sustentável (Eco-Vila) por parte de uma entidade internacional», disse à Lusa Humberto Marques, vereador do pelouro do ambiente.

Autarquia dá exemplo

O município já começou a dar o exemplo tendo aplicado estes princípios na construção do jardim-de-infância do Arelho e nas piscinas municipais que são aquecidas pelo sol.

A autarquia também criou em 2007 um sistema de recolha selectiva de resíduos porta-a-porta, em ecopontos e ilhas ecológicas com o qual espera baixar em 60% o lixo a enviar para o aterro sanitário, adiantou hoje o presidente da câmara, Telmo Faria durante uma intervenção na conferência.

A substituição das lâmpadas incandescentes por lâmpadas de baixo consumo nos edifícios do município também já se iniciou bem como a colocação de reguladores de fluxo na iluminação pública com os quais se prevê a redução do consumo energético de cerca de 40%.

A autarquia anunciou hoje que vai avançar dentro de uma semana um sistema de recolha de óleos alimentares e a sua reutilização sob a forma de biodiesel para a frota municipal.

O município compromete-se ainda a criar, nos próximos cinco anos, dois parques verdes no concelho com 620 hectares (um com 20 hectares na vila de Óbidos e que já está em construção e outro no Bom Sucesso com 600 hectares).

Para o vereador do ambiente as medidas justificam-se porque Óbidos «tem um modelo de desenvolvimento assente no turismo, na ruralidade e na economia criativa e não é possível atrair investidores sem haver um ambiente de qualidade».

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.