Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Bancos nacionais cobram 100 euros por ano aos clientes por comissões

Os bancos portugueses cobram em média 99,78 euros por ano para os clientes acederem a produtos e serviços tradicionais como a domiciliação de um ordenado de 750 euros mensais na conta corrente, a requisição de 20 cheques por ano ou a realização de 12 operações de transferências interbancárias, revela a edição de hoje do Diário Económico.

É o resultado de um estudo efectuado pela Deco sobre as comissões cobradas pelos principais bancos portugueses que incidem sobre contas à ordem.

O valor sobe para 216,88 euros por ano caso aumente o nível de operações pretendidas e queira comprar acções na bolsa nacional. As comissões bancárias pagas pelos portugueses acabam por ser um pouco mais elevadas do que a média europeia de 77 euros. Fora da zona euro, este valor pago pelos europeus sobe para 84 euros por ano.

O Diário Económico contactou João Salgueiro, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), que considera que, mesmo assim, os portugueses pagam um pouco menos face aos cidadãos de outros países, devido ao facto de em Portugal muitos serviços disponibilizados pelos terminais Multibanco não serem cobrados.

Santander lança campanha para suavizar comissões

O banco Santander prescindiu de ganhar cerca de 10 milhões de euros para oferecer algumas comissões a cerca de metade dos seus clientes activos. Em causa estão o custo relativo à manutenção de contas, serviço de gestão de investimento, cheques e transferências interbancárias nacionais, para determinados segmentos do mercado de retalho (particulares e empresas), revela ainda o DE.

O Diário Económico contactou também João Fernandes, especialista da Deco, que referiu que os bancos «não têm por hábito oferecer nada sem receber algo em troca», e que, para não pagar as comissões devidas, o cliente do Santander terá de domiciliar o seu ordenado no banco, por exemplo. «Tudo depende do grau de utilização dos serviços e do património dos clientes», referiu o responsável da Deco.

LE com Diário Económico

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.