Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Têxteis chineses estão a perder competitividade

Os produtos têxteis chineses estão a perder competitividade no mercado externo com redução dos subsídios à exportação e valorização da moeda chinesa, revela a Lusa, citando a edição de hoje do Beijing Morning Post.

Todo o sector vai perder força nos mercados externos se o renminbi, a divisa chinesa, valorizar demasiado, afirma o jornal, citando um comunicado da Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento (CNRD), a principal agência de planeamento económico do país.

O número crescente de casos de anti-dumping contra os têxteis chineses adoptado pelos parceiros comerciais, está também a piorar as condições para este sector industrial, considera a CNRD.

A mesma comissão estatal afirma ainda que a margem de lucro do sector têxtil está abaixo dos 3,7%, ou seja cerca de dois terços da margem de lucro média de toda a produção industrial da China.

Analistas citados pelo Beijing Morning Post afirmam que a própria China passará a ser o mercado mais importante para os têxteis chineses, à medida que se vão deteriorando as condições para a exportação destes produtos.

Restrições impostas pela União Europeia e Estados Unidos levam a quebra de exportações

As restrições que têm sido impostas pela União Europeia e pelos Estados Unidos aos têxteis chineses têm contribuído para este cenário de quebra na exportação. Em 2005, 80 milhões de artigos têxteis chineses ficaram retidos nos portos europeus por terem ultrapassado as quotas anuais de importação das respectivas categorias, tendo posteriormente esses produtos bloqueados entrado na UE acima das quotas de importação fixadas para esse ano, e a outra metade foi descontada nas quotas do ano seguinte, depois da assinatura de um acordo entre Bruxelas e Pequim.

Em Novembro do mesmo ano, a China e os Estados Unidos assinaram também um acordo sobre este tipo de comércio, válido até 2008, no qual o país asiático se comprometia a impor limites às exportações de 11 categorias de vestuário e 10 tipos de têxteis. Os lucros da indústria têxtil chinesa atingiram em 2006 um total de 88,3 mil milhões de renminbi (8,73 mil milhões de euros), de acordo com os números do governo de Pequim.

LE com Lusa e Dinheiro Digital

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.