Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Portugal deve atrair investidores chineses

O secretário-geral da Câmara de Comércio da União Europeia na China, Giorgio Magistrelli, defendeu segunda-feira, em Pequim, que Portugal se deve esforçar ainda mais para atrair o investimento chinês em busca de destinos de internacionalização, revela a Agência Lusa.

«Onde Portugal poderia aprofundar o seu investimento, no seguimento daquilo que já vem fazendo, é na promoção do país como destino de investimento chinês. É o que os maiores países europeus, como a França, a Alemanha e o Reino Unido estão a fazer», considerou Giorgio Magistrelli, o italiano que preside desde 2004 à Câmara de Comércio da União Europeia na China (CCUEC), em entrevista à Lusa.

«O facto é que a China se tornou uma fonte de investimento estrangeiro. As companhias chinesas estão muito interessadas em internacionalizar-se e isso poderia ser um grande valor para a economia portuguesa e um investimento com retorno para o Estado português», adiantou o responsável.

Investimento na China com retorno a médio longo prazo

Quanto ao fluxo de investimento contrário, de Portugal para a China, Magistrelli alertou as empresas portuguesas para o facto daquel só dar, por norma, resultados a médio longo prazo.

Segundo estudos internos da câmara de comércio, do total de 920 empresas que constituem a CCUEC, 85% manifestam-se optimistas quanto aos resultados no investimento na China, mas Magistrelli sublinhou que mais de metade das companhias que se consideram optimistas estão na China há mais de cinco anos.

Giorgio Magistrelli considerou que «o essencial é que a empresa seja honesta consigo própria e perguntar se quer mesmo investir na China. Como nos apercebemos nas nossas sondagens internas, o investimento só começa a dar retorno ao fim de cinco anos e cinco anos na vida de uma empresa é algum tempo».

Sobre a Câmara de Comércio da União Europeia na China

A câmara de comércio tem três membros empresariais portugueses – a empresa de tecnologia de comunicação CTTC Archway, cuja maioria do capital é detido pela Portugal Telecom, o Banco Nacional Ultramarino, um dos bancos emissores de Macau, pertença do grupo Caixa Geral de Depósitos e o escritório de advocacia Namorado Advogados, com base em Lisboa.

A EUCCC é o maior grupo de influência das empresas europeias na China e assegura a comunicação regular entre o governo central, os governos locais e os representantes das empresas europeias na China.

A organização, que tem financiamento privado, iniciou actividade no ano 2000, contando com 50 membros, dois escritórios e 13 empregados.

Tem agora 920 membros, 35 trabalhadores e sete escritórios nas cidades em Pequim, Xangai, Tianjing (norte do país), Cantão (capital da província de Guangdong, no sul do país, fronteira a Macau), Shenyang (capital da província de Liaoning, no nordeste da China), Nanjing (capital da província oriental de Jiangsu) e Xengdu (capital da província central de Sichuan).

Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.