Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Novo plano de licenças CO2 vai asfixiar muitas indústrias nacionais

O novo PNALE (Plano Nacional de Alocação de Licenças de Emissões) vai representar a asfixia para muitas empresas industriais nacionais, alertou hoje o presidente da CIP (Confederação da Indústria Portuguesa).

O novo PNALE (Plano Nacional de Alocação de Licenças de Emissões) vai representar a asfixia para muitas empresas industriais nacionais, alertou hoje o presidente da CIP (Confederação da Indústria Portuguesa).

Para a CIP, a agro-indústria, a cerâmica e as químicas vão ser os sectores mais penalizados pela proposta de PNALE para a atribuição de licenças de CO2 às indústrias entre 2008 e 2012.

Francisco Van Zeller, em declarações ao Jornal de Negócios Online, reconhece que o Governo fez um esforço para minimizar o impacto na indústria nacional nesta proposta, mas sublinha que a margem de manobra de Portugal é muito reduzida face aos compromissos assumidos pelo país no Protocolo de Quioto, que acusa de «ignorarem o crescimento da indústria portuguesa».

A assunção por parte do Estado, via Fundo de Carbono, de parte do défice das licenças de CO2 e a promoção de projectos em países em vias de desenvolvimento, que permitem contabilizar créditos de C02, são exemplos dados pelo presidente da CIP.

Segundo o presidente da CIP, o novo PNALE, que define o tecto de licenças gratuitas para emissões de CO 2 para o período de 2008 a 2012, parte de níveis de produção industrial muito baixos devido à crise económica que se vive em Portugal e também na Europa.

Para o presidente da CIP, se a economia estivesse numa situação melhor, as emissões do CO2 do sector industrial em Portugal estariam 5% ou 6% acima do verificado nos últimos dois anos.

O PNALE parte do registo histórico de emissões das instalações industriais dos sectores abrangidos pelo CELE (Comércio Europeu de Licenças de Emissão) para projectar as necessidades futuras e calcular as respectivas licenças gratuitas.

O documento que está em discussão pública prevê uma redução real da ordem dos 5,8% por ano a partir de 2008 face ao valor apurado no ano passado, o correspondente à emissão anual de 33,93 milhões de toneladas de CO2 que terá direito a licenças gratuitas.

O CELE envolve os principais sectores industriais, mas deixa de fora actividades como os transportes que são os principais responsáveis pelo crescimento dos gases com efeitos de estufa.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.