Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Centro 2020 com mais 100 milhões de euros a concurso para projectos empresariais

O Programa Centro 2020 abriu novos concursos para investimento empresarial na região que totalizam 100 milhões de euros de fundos europeus, e que encerram em geral no final do semestre. Desta verba, 18.5% são exclusivamente para projectos empresariais em territórios de baixa densidade.

A verba distribui-se da seguinte forma: 59 milhões de euros para a inovação produtiva e empreendedorismo; 18.5 milhões de euros para inovação produtiva e empreendedorismo (baixa densidade); 19 milhões de euros para a Internacionalização; 2.5 milhões de euros para Qualificação e 1 milhão de euros para vales I&D.

No âmbito do Portugal 2020, no final de Março, os apoios ao investimento empresarial da região Centro ultrapassam já os mil milhões de euros de fundos europeus, considerando os apoios dos Programas Centro 2020 e Compete 2020.  Os 3069 projectos empresariais do Centro aprovados têm uma intenção de investimento de cerca de 1981 milhões de euros. Dos projectos aprovados, 1960 têm já pagamentos no montante de cerca de 265 milhões de euros.

Em período homólogo do QREN, ou seja, em Março de 2010, estavam aprovados na região Centro 1269 projectos, com um investimento proposto de 1600 milhões de euros e um apoio de fundos de 624 milhões de euros. Na altura, 377 projectos tinham pagamentos no montante de 178 milhões de euros.

A dinâmica empresarial da Região Centro traduz-se no facto de ser a região com melhor execução no contexto do Portugal 2020, apresentando a maior taxa de pagamentos, de cerca de 28%. De acordo com Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), «quase 80% dos projectos de investimento são na indústria transformadora, e correspondem a projectos de inovação produtiva e de empreendedorismo, sendo cerca de 50% em micro e pequenas empresas. Estes projectos são de extrema importância para as empresas entrarem em actividades de maior valor no contexto das cadeias de valor em que se encontram inseridas e permitem-lhes adquirir novas competências fundamentais para competirem num mercado sem fronteiras. Os novos avisos vêm dizer “presente” à elevada dinâmica  empresarial da região».

Destacam-se em termos de fundo aprovado as subregiões de Aveiro (34%), Leiria (19%) e Oeste (11%).

Região Centro Nº Projetos Investimento (milhões €) Fundo (milhões €) % Fundo
CIM Beira Baixa 55 132 52 5%
CIM Beiras e Serra da Estrela 189 46 28 3%
CIM Médio Tejo 223 125 59 6%
CIM Oeste 324 202 115 11%
CIM Região de Aveiro 785 735 359 35%
CIM Região de Coimbra 427 193 92 9%
CIM Região de Leiria 661 340 201 19%
CIM Viseu Dão-Lafões 219 127 74 7%
MultiRegião 186 81 52 5%
Total 3069 1981 1032 100%

Fonte: CENTRO 2020

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.