Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Formação & Ensino

IPL vai ter um dos três centros de experimentação para a Indústria 4.0 da Siemens

O Instituto Politécnico de Leiria (IPL) vai acolher um dos três centros tecnológicos criados pela Siemens para apoiar o desenvolvimento de projectos destinados à Indústria 4.0. Os I-Experience 4.0 Centers fazem parte da Academia Siemens 4.0, uma das medidas estratégicas apresentadas pelo Governo esta semana em Leiria, no âmbito da iniciativa Indústria 4.0. Os outros dois ficam localizados na sede da Siemens, em Alfragide, e na Universidade de Aveiro.

Os I-Experience 4.0 Centers vão integrar e ligar vários elementos do processo industrial, desde o desenho à produção, com vista a promover iniciativas diferenciadoras destinadas à modernização da indústria. O objectivo passa por ajudar estudantes e incubadoras a familiarizarem-se com o ambiente da Indústria 4.0.

Para este projecto a Siemens juntou-se a duas empresas nacionais – a CADflow, empresa da Marinha Grande que centra a sua actividade no fornecimento e suporte técnico de softwares para a indústria, e a BeeveryCreative, uma startup de Ílhavo que desenvolve tecnologia na área da impressão 3D e criou a primeira impressora 3D desktop portuguesa para o mercado mundial.

«A intenção é melhor preparar o capital humano português para os desafios colocados pela digitalização, potenciando o desenvolvimento de projectos inovadores, disponibilizando, para tal, tecnologia de ponta», explica a Siemens.

Estes espaços, acessíveis a todos aqueles que pretenderem desenvolver projectos no âmbito da indústria 4.0, estarão equipados com kits de automação, softwares de modelação e impressoras 3D, permitindo assim simular e testar todo o processo produtivo.

Para as melhores ideias que saírem dos I-Experience 4.0 Centers, a Siemens pretende ainda disponibilizar coaching ou até mesmo apoio financeiro através da unidade de negócio independente da Siemens AG, o Next47.

«O nosso objetivo é ajudar na formação de todos aqueles que queiram participar connosco na transformação da indústria e dotá-los de todas as ferramentas necessárias para ajudarem o País a dar este importante salto tecnológico», sublinha António Mira, director para a indústria da Siemens Portugal.

Na área da formação de recursos humanos, além do estabelecimento de parcerias com as universidades e institutos politécnicos através da Academia Siemens 4.0, a empresa integra também o programa Qualifica IT, que aposta na requalificação e reconversão de recursos humanos para a área das tecnologias de informação. Para além disso, vai lançar brevemente a segunda edição do Prémio Nova Geração que desafia os jovens portugueses a apresentar ideias inovadoras que contribuam para impulsionar o sector industrial nacional.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.