Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Indústria transformadora destaca-se nas maiores por sector*

A indústria transformadora continua a ser o sector que concentra mais vendas num conjunto de 10 empresas. Apenas as maiores nos sectores da construção, e do gás, electricidade e água venderam menos que no ano anterior.

É à indústria transformadora que continuam a pertencer as dez empresas que concentram maior volume de vendas: 784 milhões de euros em 2015, uma média de 78 milhões de euros de euros por empresa.

As dez maiores empresas da indústria transformadora de Leiria são responsáveis por 15% do total vendido pelas 250 maiores empresas do distrito em 2015 e por 1% das vendas deste sector a nível nacional.

Destaque para o facto de, em 2015, estas 10 empresas da indústria transformadora do distrito terem visto aumentar em 24 milhões de euros (3%) as suas vendas face ao ano anterior. O sector continua a ser liderado pela Santos e Barosa que, em 2015, facturou 137 milhões de euros.

O sector da indústria transformadora continua a ser liderado pela Santos e Barosa

O segundo sector que mais vendas concentra em apenas 10 empresas continua a ser o grossista, com 684 milhões de euros facturados, o que representa uma média de 68 milhões de euros por cada empresa do top 10.

Estas dez empresas geraram, em 2015, um volume de vendas que representa 1% do sector grossista a nível nacional e 13% do total das 250 maiores empresas do distrito. Falta dizer que, entre 2014 e 2015, as dez maiores empresas do sector grossita leiriense viram aumentar a sua facturação em 7% e que a empresa que mais vendeu o ano passado continua a ser a Mibepa, com 154 milhões de euros.

O terceiro sector que mais concentra vendas em apenas dez empresas é a construção: 391 milhões de euros. Em 2015, o top 10 das empresas de construção leirienses movimentou 7% do total das vendas das 250 maiores empresas do distrito e 3% do total do sector a nível nacional.

Ao contrário do que aconteceu com os sectores da indústria transformadora e empresas do comércio por grosso, entre 2014 e 2015, o top 10 da construção leiriense assistiu a um recuo de 3% nas suas vendas. Este sector continua a ser liderado pela Lena Engenharia e Construções, com 227 milhões de euros vendidos em 2015.

 

maiores-por-sector

 

Segue-se o top 10 das empresas do retalho, que facturaram 340 milhões de euros, uma média de 34 milhões por empresa. O top 10 das empresas de retalho do distrito movimenta 6% do total facturado pela listagem das 250 maiores e 1% do sector a nível nacional. Entre 2014 e 2015, o top 10 deste sector assistiu, no distrito de Leiria, a uma subida de 10% na sua facturação. Aqui a liderança continua a pertencer à Auto Júlio, com vendas de 75 milhões de euros.

Em quinto lugar surge o sector que reúne actividades como a agricultura, pecuária, pesca e caça, onde as nove empresas da listagem facturaram, em 2015, 178 milhões de euros.

As nove empresas de agricultura, pecuária, pesca e caça movimentam 3% da facturação total da listagem e 4% do sector a nível nacional. Entre 2014 e 2015, este sector assistiu a uma subida de 11% na sua facturação. Aqui a liderança pertence à Sociedade Agrícola Quinta da Freiria, com 56 milhões de euros facturados em 2015.

Não muito distante surge o sector dos transportes, onde as dez maiores empresas do distrito registaram vendas de 173 milhões de euros. O top 10 das empresas de transportes do distrito foi responsável por 3% da facturação da listagem e 1% da facturação do sector a nível nacional. Entre 2014 e 2015, as dez maiores empresas do sector no distrito mantiveram a sua facturação, com a liderança a continuar a pertencer à Ascendi, que manteve as suas vendas nos 43 milhões de euros.

Em queda estiveram apenas o grupos das maiores empresas dos sectores do gás, electricidade e água (-56%) e da construção (-3%)

Seguem-se os sectores dos serviços, que reúnem seis empresas na listagem, que mantiveram as suas vendas totais nos 157 milhões de euros, logo a seguir a indústria extractiva, onde as quatro empresas que a integram facturaram 50 milhões de euros, o mesmo nível do ano anterior. Quanto às três empresas do sector do gás, a electricidade e a água, facturaram 39 milhões de euros (face aos 89 milhões que o conjunto de empresas deste sector facturou o ano passado), enquanto as telecomunicações, representadas por apenas uma empresa, a Tekever, vendeu em 2015 dez milhões de euros.

O sector dos serviços é liderado pelo Centro Hospitalar de Leiria, com uma facturação de 85 milhões de euros, a indústria extractiva pela Adelino Duarte da Mota, com vendas de 22 milhões de euros, o gás, a electricidade e a água pelo Parque Eólico Chão de Falcão, com 18 milhões de euros. Já o sector do alojamento e restauração está representando por apenas uma empresa, a Churrasqueira Rei dos Frangos, que deu este ano entrada no ranking, com uma facturação de oito milhões de euros.

Destaque para o facto de se terem mantido, em 2015, as empresas que lideram cada um dos sectores, excepto no sector do gás, electricidade e água, onde a Águas do Oeste deu lugar ao Parque Eólico Chão de Falcão.

Os sectores cujo conjunto das dez maiores empresas (ou as maiores no caso de não chegarem a 10) mais viu aumentar as suas vendas face ao ano anterior foram, por ordem decrescente, a indústria extractiva (18%), a agricultura, pecuária, pesca e caça (11%), o sector retalhista (10%), o sector grossista (7%) e a indústria transformadora (3%). Em sentido contrário estiveram apenas o gás, electricidade e água (-56%) e a construção (-3%).

*Artigo originalmente publicado na revista 250 Maiores Empresas do Distrito de Leiria, publicada a 17 de Novembro, pelo Jornal de Leiria

REDACÇÃO | Célia Marques cmarques@leiriaeconomica.com

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.

AKI investe 500 mil euros na renovação da loja de Leiria

O AKI investiu 500 mil euros na renovação da loja de Leiria e está em processo de recrutamento de seis novos colaboradores. O objectivo passa por «reforçar o seu conceito de proximidade junto dos leirienses e actualizar a nova imagem da marca», explica a empresa em comunicado.