França – Finlândia – Kimpembe, Lloris, Varane, Dubois: Que mosca pegou a defesa dos Blues?

A seleção da França atravessa seu pior período desde 2013. Na multidão de explicações em mãos (a desintegração da autoridade de Deschamps, a falta de integração Mbappe-Griezmann-Benzema, o renascimento dos campeões mundiais), este é um, talvez o o mais óbvio de tudo, que mesmo assim aparece em segundo plano. É a chave: os Blues devem sua queda vertiginosa principalmente por causa de sua fraqueza defensiva. Esta observação é tão válida para o verão passado quanto se aplica a este fracasso na volta às aulas.

“O maior problema da seleção francesa é Griezmann”

Porque se sempre marca nos últimos cinco jogos, sempre sofreu pelo menos um gol inclusive o primeiro. O adversário do Blues marcou oito gols em cinco partidas desde a vitória em Munique na estreia do Campeonato Europeu, enquanto a França manteve cinco jogos sem sofrer golos. Você tem que voltar cinco anos e se preparar para o Euro 2016 para encontrar uma seqüência tão perturbadora. Assim, o primeiro problema que deve ser abordado Didier Deschamps, mesmo que seja sem dúvida menos da mídia do que o acordo entre suas três estrelas de ataque, permanece assim sua porosidade onze. Como explicamos isso?

Elegível. Copa do Mundo

Pare de brincar, o Catar não está por perto

4 horas atrás

Hernandez, a ausência insubstituível

Primeiro, porque Didier Deschamps não conseguiu formar a mesma defesa uma única vez, e onze jogadores conseguiram as quatro (ou cinco contra a Suíça) posições da defesa tricolor. Acima de tudo, o treinador não conseguiu montar a sua defesa típica (Pavard, Varane, Kimpembe, Hernandez), que continua invicta. A lesão de Lucas Hernandez contra os portugueses foi uma grande pedra na sua chuteira, embora Lucas Digne seja uma alternativa muito confiável. Mas em seu estado de espírito e agressividade, o zagueiro do Bayern não tem igual entre os campeões mundiais.

Lucas Hernandez x Cristiano Ronaldo

Crédito: Getty Images

Em duelos e agressões, a Ucrânia ultrapassou-nos na primeira parte“, admitiu Didier Deschamps. Mas Hernandez não é do tipo que olha para as botas quando as coisas dão errado e sua personalidade está perdida enquanto a falta de confiança ganha destaque. À lesão dele, podemos adicionar este setembro a Pavard, mas também a N ‘ Golo Kanté, o guarda-costas Principal quarteto defensivo desde 2016. Fora da linha defensiva, é o estado de espírito de um grupo mais dividido, menos unido e, portanto, “ massa porosa que coloca um problema. É assim que devemos entender a saída mais poderosa de Hugo Lloris que se recuperou claramente: O capitão não aceita mais o comportamento individual e falta de compromisso.

“Esses blues estão se afogando em alguma forma de gentrificação”

Falhas totais e tanque seco

Por trás da falência em massa, erros individuais massivos, anormalmente altos para um seleto grupo deste calibre, afetaram os Blues: o erro de marcação de Pavard contra a Hungria, o pênalti concedido por Lloris contra Portugal, colocou Lenglet no placar inicial suíço ou fraco. Passe garantido de Lemar contra a Bósnia. E o que dizer do escorregão de Kimpembe contra a Suíça, seu atraso na estreia na Bósnia ou seu duelo perdendo a corrida em Kiev. O parisiense, o longo fiador do poder dos campeões mundiais, simboliza a febre azul.

Hoje, na ausência de Hernandez, apenas Hugo Lloris, apesar de tudo impecável, exceto para o apagão português, e Rafael Varane mantêm a sua classificação. À direita o mal se aprofunda: Benjamin Pavard está completamente imerso no euro, Jules Conde perdeu em uma posição que não possui e Leo Dubois carece das garantias de nível internacional. E Didier Deschamps carece de soluções. O tanque é ótimo na defesa, mas apenas se relaciona com a posição do pivô direito do defensor (Upamecano, Zouma, Konaté, Fofana, Saliba) e do lado esquerdo (Théo Hernandez, Ferland Mendy). Atrás de Pavard e Kimpembe, os titulares mais difíceis, a competição está lutando para se destacar e, se eles não encontrarem seus sentidos, os Blues podem ter dificuldade em se recuperar.

Benjamin Pavard em grande dificuldade contra a Hungria

Crédito: Getty Images

Elegível. Copa do Mundo

Benzema, um retorno há muito esperado e o fim das dúvidas

5 horas atrás

Elegível. Copa do Mundo

Loris: “Estamos curados? Aparentemente não”

9 horas atrás

See also  Eliminatórias para a Copa do Mundo: partida da Inglaterra contra a Polônia

You May Also Like

About the Author: Lucinda Lima

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *