Antonio Costa acusa Paulo Rangel e Boyares Maduro de liderar uma “campanha internacional contra Portugal” – The Observer

António Costa volta a exercer as funções de Ministro da Justiça e já definiu os alvos do ataque no contexto do debate sobre a nomeação do Procurador-Geral da União Europeia. São eles o parlamentar europeu Paolo Rangel e o ex-ministro social-democrata Miguel Boyares Maduro que, na opinião do primeiro-ministro, estão aproveitando a presidência portuguesa da União Europeia em prol da Uma campanha internacional contra Portugal. Para isso, utilizam o status de “nem mesmo assunto”, “irrelevante”. Para além de Paulo Rangel e Boyares Maduro, também deputado do PSD responsável pela pasta da saúde, Ricardo Batista Let, “outra frente, a frente da saúde”, está a liderar uma campanha internacional contra Portugal.

Foi o que disse Antonio Costa na conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros, quando questionado se se manteve a confiança no Ministro da Justiça em relação à questão da nomeação do Procurador-Geral da União Europeia José Guerra, especialmente depois de ontem, no debate contra André Ventura, Marcelo Rebelo de Sousa afirma que se dependesse dele o ministro cairia. Costa não só reafirmou a sua confiança em Francesca van Denim, que “agiu bem”, mas explicou, passo a passo, o que se passou no processo e como se encontravam os outros agressores. “Com exceção de Paulo Rangel e Boyares Maduro, que lideram uma campanha internacional contra Portugal na qual o deputado Ricardo Baptista Leti também participa em outra frente da saúde, esta questão não tem significado político”., Afirma António Costa, sublinhando que mesmo para o Presidente do Conselho Europeu, que está com ele há dois dias em Lisboa, este “não é um problema”.

Antonio Costa não poupou palavras e garantiu que não teria “a menor complacência” contra os responsáveis ​​por estas campanhas difamatórias para manchar a imagem do país no exterior. “As tentativas de alguns de transformar a presidência portuguesa num palco de oposição ao governo português é um precedente muito perigoso e não vamos cooperar de forma alguma com ele. Estamos com a consciência totalmente limpa.”, Disse Antonio Costa Costa, lembrando que o executivo poderia “escolher o procurador que quisesse”, mas mudou a lei para que o advogado fosse escolhido por um órgão independente – o Conselho Superior do Ministério Público.

See also  Val d'Oise. O restaurante La Belle Époque reabre as portas em Naukurt!

O primeiro-ministro encerrou a conferência de imprensa dizendo que o governo “não será complacente” com quem “quiser usar a presidência portuguesa para lançar campanha contra Portugal”. Eu disse os nomes aqui porque sei quem está organizando essa campanha internacionalO primeiro-ministro concluiu.

Em resposta às declarações de Antonio Costa, Paulo Rangel enviou nota à redação acusando o primeiro-ministro de usar um “tom ameaçador para desviar a atenção”, mas disse que isso não “apagou mentiras” ou “intimidação”. Ele diz: “É lamentável que o primeiro-ministro tenha confundido a prática legítima de examinar o trabalho do governo com a campanha para manchar a imagem do país no exterior”.

“Vou preservar a prática democrática de oposição e fiscalização do governo, vou sempre e em todos os casos lutar pela verdade e dignidade do Estado português, e vou sempre colocar os interesses de Portugal – incluindo a presidência portuguesa – na linha da frente da actividade política e cívica”, afirma o deputado social-democrata.

Na opinião de Paulo Rangel, o governo está apenas tentando “criar confusão e criar a ilusão de que a competência europeia é patriotismo”. E tudo visa esconder apenas uma coisa: “O governo português mentiu objectivamente ao Conselho da União Europeia”.. Paolo Rangel chega a citar o artigo 16º da Procuradoria Europeia da Procuradoria Europeia 1939-2017 para indicar, ponto a ponto, que o governo está a ignorar a verdade. Em primeiro lugar, porque o regulamento estipula que a nomeação do Procurador Europeu é deixada ao Conselho da União Europeia e não aos governos nacionais; Em segundo lugar, porque a classificação dos três candidatos compete ao Júri Europeu e não ao Gabinete do Procurador e, em segundo lugar, porque o Júri, ao contrário do que afirma Costa, é um órgão “independente”.

See also  Benfica / Nacional e Varense / FC Porto com transmissão ao vivo segunda-feira no RMC Sport! -

No Twitter, Miguel Poares Maduro já respondeu às acusações de Antonio Costa qualificando-a como “uma posição inaceitável para um primeiro-ministro”. “Confundir crítica ao governo com crítica ao país é profundamente antidemocrático”, disse o ex-ministro, observando que atualmente não exerce cargo público e, portanto, nada mais é do que um cidadão do qual o primeiro-ministro acusou publicamente. Algo tão perigoso quanto ser um dos líderes de uma campanha contra o país.

Em declarações à Lusa e ao Observer, Poares Maduro insistiu que misturar crítica com traição é “ferozmente antidemocrático”. “Acho difícil misturar uma crítica ao governo ou a um ministro do governo ou a uma decisão do ministro da Justiça com uma crítica ao país ou um ato de traição ao país”, disse ele.

A socialista Anna Gomez aliou-se ao ex-ministro da Segurança Pública e criticou a posição de Antonio Costa, dizendo que era “errada e inaceitável”. ‘Você não merece tudo’Como ela diz, ex-parlamentar socialista europeu que não conta com o apoio oficial do Partido Socialista em sua candidatura às eleições de Belém.

Para Antonio Costa, o Ministro da Justiça agiu bem porque colocou a decisão nas mãos de um órgão independente e olhou para outro cenário: se Portugal ignorasse a escolha do CSMP e, em vez disso, aceitasse a escolha do Conselho Europeu de ‘Será?’ “Imagino o debate que não haveria em Portugal se escolhêssemos o candidato escolhido pelo Conselho Europeu em vez de nomear o candidato para o CSMP. Já imaginam como foi?” Disparou.

See also  Portugal fecha as fronteiras com a Espanha por 15 dias! - Le7tv.ma

O único erro, segundo o primeiro-ministro, é que houve “dois erros” na carta enviada ao embaixador de Portugal na União Europeia. Isso foi resolvido. “Quando descobrimos, a Ministra fez o que deveria fazer e deu instruções ao embaixador para corrigir os erros no discurso de novembro de 2019. Houve dois lapsos, que não deveriam ter acontecido, mas aconteceram, e o Diretor-Geral de Política de Justiça assumiu e renunciou.” No entanto, Costa reafirma sua confiança em seus ministros e deixa uma carta a Marcelo nas entrelinhas: “Cabe ao primeiro-ministro indicar e selecionar os ministros, antes que o primeiro-ministro responda todos eles”.

Costa Van Denim detém e reafirma “plena confiança política” no Ministro da Justiça

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *