A morte pode esperar: o eterno James Bond

Os fãs do Agente Secreto ficarão maravilhados com este último longa-metragem de Daniel Craig como 007.

• Leia também: James Bond retorna para salvar o mundo … e o cinema

• Leia também: O produtor da franquia diz: “James Bond sempre será um homem”

• Leia também: Aston Martin foi vendido para crianças por $ 157.000

Lançamento dos grandes estúdios de jogos. O roteiro assinado pelo trio Neil Purvis, Robert Wade e Phoebe Waller-Bridge – acompanhado pela diretora Carrie Joji Fukunaga – começa quase que discretamente, como se a equipe quisesse dar aos espectadores tempo para saborear esta última atuação de Daniel Craig em um James Bond filme.

Death Can Wait começa com James (Daniel Craig) e Madeleine (Lia Seydoux) dirigindo por uma estrada sinuosa na Itália, enquanto o blockbuster de Louis Armstrong “Temos todo o tempo no mundo” representa uma cena que ele reconhecerá. Adoradores devem ser uma lembrança de Serviço Secreto de Sua Majestade. Chegando ao destino, Madeline sugere ir até 007 para ir ao túmulo de Vesper (Eva Green), mas ela fica presa e Bond quase deixa sua pele lá. Porque Bond suspeita que ela revelou seu itinerário para sua viagem a Spectre, Bond deixa Madeleine.

Cinco anos depois, encontramos nosso cara na Jamaica, onde está tendo um bom dia de aposentadoria … até que Felix Leiter (Jeffrey Wright) vem pedir-lhe que o ajude a encontrar Faldo Obrushev, um cientista sequestrado, que está em Cuba. O irritante Savin (Rami Malek) está envolvido em uma história sombria do soro assassino. E, claro, Blofeld (Christoph Waltz) está lá. o resto? O resto pode ser visto na tela grande, comido e apreciado por 163 minutos que passam em um piscar de olhos.

See also  Nove crianças mortas na tempestade Claudette no Alabama

Quanto ao 25º, quinto e último filme de James Bond de Daniel Craig, nada foi deixado ao acaso. Todas as subtramas que ficaram em suspense nos quatro filmes anteriores serão fechadas, Bond tornou-se mais encarnado lá, sua relação com Madeline, as famosas “garotas de James Bond” Lashana Lynch – em meu sono, a nova portadora do nº 007 – e Ana são exploradas sutilmente de Armas en Paloma, uma maravilhosa agente da CIA – Zina, inclusive participantes ativos no trabalho. Chega de piadas sexuais e paternalistas, James Bond amadureceu, não é mais um assassino impenitente e, se ainda tiver problemas de confiança, não terá mais de expressar seus sentimentos e emoções mais profundos.

As cenas de ação são de tirar o fôlego, Kari Joji Fukunaga não só está no controle total de suas câmeras, mas também sabe como fazer acrobacias enquanto evita overdoses. Sem explosões incessantes, sem “boom boom” frenético, mas momentos poderosos e sem fôlego, perfeitamente sincronizados com o drama do roteiro.

Roteirista e visualmente, a equipe dobrou as referências ao ex-James Bond, como se prestasse homenagem a Sean Connery e Roger Moore, ambos falecidos. Aqui, veremos os sets de “James Bond vs. Dr. No” ou “Live and Let Die”, ali, admiraremos a arquitetura brutalista, uma lembrança do covil do vilão em “The Man with the Golden Rifle” , lá novamente, veremos uma foto de Judi Dench, morta em “007 Skyfall” Ou uma foto de Bernard Lee, o tradutor de M para “Moonraker”.

Então, sim, saímos do cinema com lágrimas nos olhos e erguemos mentalmente uma taça de martini para toda a equipe “Die can wait” para agradecê-los por nos tornarem realidade.

See also  Não à permissibilidade da vacinação Quebec Magazine

Avaliação: 4,5 de 5

“Death Can Wait” chegou aos cinemas em 8 de outubro.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *