Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Agricultura deve criar valor acrescentado, considera a CAP

O secretário-geral da Confederação dos Agricultores Portugueses (CAP), Luís Mira, afirmou hoje que o sector deve criar valor acrescentado para ganhar competitividade.

Luís Mira, que falava à margem de um seminário organizado pela CAP, explicou que a falta de competitividade da agricultura portuguesa comparativamente a outros países da Zona Euro tem a ver com a organização do Estado, mas também com o facto de os agricultores criarem valor acrescentado.

O secretário-geral da CAP recorreu ao exemplo de Itália, cujas explorações agrícolas são em média mais pequenas do que em Portugal, para explicar que a falta de rendimento e competitividade não está directamente relacionado com o tamanho dos terrenos.

“Em Itália, os agricultores não vendem uva, vendem vinho. Não vendem o produto em bruto”, salientou.

Para Luís Mira, “falta o agricultor ir mais longe: não se preocupar só em produzir, mas preocupar-se em adicionar valor acrescentado”.

O responsável da CAP disse ainda que “é fundamental posicionar a agricultura como um sector fundamental para resolver parte das questões que Portugal tem”, já que é preciso um sector produtivo para sair da crise.

Por outro lado, o presidente da CAP, João Machado, salientou que “é preciso saber lutar por uma política agrícola que convenha a Portugal”.

LE com Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.