Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Faria & Bento desenvolve cerâmica resistente à chama

Célia Marques

(Artigo publicado na Revista 250 Maiores Empresas do Distrito de Leiria, editada pelo Jornal de Leiria, distribuída com a edição de 22/11/2007 do semanário e de 24/11/2007 do Público)

A recém lançada cerâmica resistente à chama representa apenas um patenteado exemplo dos novos produtos desenvolvidos nos laboratórios e gabinetes de design da Faria & Bento. O investimento anual em I&D ascende a 4% das vendas. A garantia de continuidade do sector.

O produto cerâmico que a Faria & Bento desenvolveu e patenteou a nível internacional permite o contacto directo com a chama, vitrocerâmica, placa eléctrica, forno e micro-ondas, com significativas economias de consumo energético. É o resultado de um trabalho de investigação de três anos e de um grande investimento, revela Carlos Faria, presidente da empresa.

A Faria & Bento tem ainda em desenvolvimento uma linha de cerâmica com tampa de plástico, hermeticamente fechada, concebida «para facilitar a vida ao consumidor», que pode assim aquecer os alimentos directamente no recipiente que vem do frigorífico.

Ciente da crescente importância do design e criatividade à mesa, a empresa apresenta também uma linha de pratos concebida em conjunto com Eyüp Kemal Sevinç, um famoso chefe de cozinha turco.
No leque de produtos inovadores, Carlos Faria destaca ainda o copo cerâmico com caixa de ar, que impede que a temperatura do líquido passe para o exterior do copo, mantendo-o à temperatura ambiente.

«As fábricas têm de ter iniciativa, poder criativo, pessoal técnico à altura e condições para desenvolver novos produtos. Já lá vai o tempo em que era o cliente que vinha à nossa procura», explica o empresário, mostrando confiança no futuro das empresas que enveredarem por este caminho.

Numa indústria em que a mão-de-obra pode pesar 40% dos custos, e a energia entre 12 a 13%, é impensável fazer cerâmica em massa. «A cerâmica portuguesa tem condições para sobreviver, mas tem de se ajustar. Existe mercado para o design, para a qualidade do produto e do serviço, e para empresas que demonstrem alguma preocupação ambiental, uma área em que a Faria & Bento foi pioneira a nível mundial no sector, no que toca a certificação. O nosso cliente quer produtos de valor acrescentado para ganhar dinheiro», explica o responsável pela empresa que emprega 160 pessoas.

A qualidade do produto e contínua aposta em inovação garantem o fornecimento de uma linha de forno para clientes como a Tesco, bem como a presença de louça de mesa em prestigiados restaurantes e hotéis um pouco por todo o mundo.

Louça utilitária com mais oportunidades

A Faria & Bento produz também louça decorativa, mas foi no segmento utilitário que encontrou mais oportunidades de diferenciação no mercado, e a possibilidade de explorar a restauração e hotelaria a nível internacional. A louça utilitária em faiança e grés cerâmico representam 80% da produção da empresa, que no global assegura uma facturação anual na ordem dos cinco milhões de euros, 95% dos quais oriundos do mercado externo. Em Agosto deste ano, a performance da empresa já superava em 12% a do ano anterior.

Os principais mercados são a Inglaterra, França e Espanha, com o ano de 2007 a marcar a entrada no Egipto, através de feiras e agentes locais. As feiras representam uma forte aposta de marketing e a empresa assegura nos principais certames mundiais do sector. Carlos Faria aponta ainda a Rússia enquanto mercado-alvo, bem como a Índia, que considera ter um potencial superior ao da China. A produção mensal ronda as 120 mil peças, «produzidas por encomenda e não para stock», finaliza o empresário.

Ponto Forte
Polivalência. Ninguém tem lugar fixo na empresa. Os colaboradores têm um conhecimento vasto daquilo que é a cerâmica.

Ponto Fraco
São pontuais e vão-se combatendo no dia a dia.

Oportunidade
Estar atento às exigências dos mercados e responder com rapidez. A vida do produto é curta e exige um investimento contínuo.

Ameaça
Não ter controlo sobre os custos energéticos. Há um incentivo ao consumo de gás. A diferença da factura de uma empresa que consome pouco e outra que consome mais chega a ser de 42%.

Uma grande empresa é…
Organizada, com bom produto, boa força de vendas, boa imagem e cumpridora dos seus deveres.

A longevidade das empresas depende de…
Honestidade dos empresários, fidelização dos clientes, poder criativo e quadros que possam vestir a camisola da empresa e defender o projecto que criou.

Inovar é…
Pensar diariamente o que se pode fazer melhor amanhã e saber ouvir. Uma empresa certificada todos os dias tem melhorias a fazer.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.