Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário habilitar o JavaScript.Aqui estão as instruções de como habilitar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Distrito de Leiria tem quinto melhor saldo comercial do país

Leiria foi o quinto distrito com melhor saldo comercial em 2016, depois de Braga, Aveiro, Castelo Branco e Viana do Castelo, tendo subido uma posição face ao sexto lugar que ocupava em 2015.

COMÉRCIO INTERNACIONAL POR DISTRITO 2016 Saldo Comercial Exportações Importações
Braga 2.990 6.064 3.074
Aveiro 2.526 6.511 3.985
Castelo Branco 1.459 1.688 230
Viana do Castelo 631 1.661 1.030
Leiria 558 2.030 1.472
Beja 537 686 149
Porto 467 8.766 8.299
Évora 283 576 293
Coimbra 283 1.202 920
Setúbal 281 3.853 3.572
Viseu 242 1.310 1.068
Santarém 93 1.455 1.362
Bragança 60 639 579
Portalegre 41 278 236
Guarda 0 280 280
Madeira -25 96 121
Vila Real -35 101 136
Açores -59 84 143
Faro -103 162 265
Não Aplicável -2.742 2.450 5.192
Lisboa -18.293 10.419 28.712
Portugal -10.805 50.312 61.117
Fonte INE; valores em milhões de euros salvo indicação em contrário, análise a preços correntes      

O distrito de Leiria viu as suas exportações alcançarem um máximo histórico nos 2.030 milhões de euros e as suas importações também no máximo de sempre nos 1.472 milhões de euros, valores que resultam num saldo comercial 558 milhões de euros. A evolução das importações e exportações reflecte o peso da indústria no comércio internacional do distrito, que assume um modelo intra-industrial e segmentado.

 

COMÉRCIO INTERNACIONAL DO DISTRITO DE LEIRIA 2016  
Exportações 2.030
Peso das exportações no total nacional 4%
Exportações extra-comunitárias 413
Peso das exportações extra-comunitárias no total do distrito 20%
Importações 1472
Peso das Importações no total nacional 2%
Saldo da Balança Comercial 558
Fonte INE; valores em milhões de euros salvo indicação em contrário, análise a preços correntes

Entre 2015 e 2016, o saldo comercial do distrito subiu 0,4% (face a um agravamento de 4% no défice comercial português), e as exportações e importações na ordem dos 5% cada (quando a nível nacional a subida foi de apenas 1% em ambos indicadores).

Comparativamente a 2006, o saldo comercial do distrito subiu 913% (face a um desagravamento de 42% no défice comercial português), as exportações 92% (face a 46% da realidade nacional) e as importações 47% (face a 15% a nível nacional). Desde 2006, a exportações do distrito de Leiria cresceram a uma média de 7% ao ano, face à taxa média de apenas 4% a nível nacional.

Tal como em 2015, em 2016, o distrito continua a representar 4% das exportações totais portuguesas (quando em 2006 pesava apenas 3%) e 2% das importações (o mesmo rácio que registava também em 2006).

De notar que as exportações extracomunitárias ascenderam, em 2016, a 413 milhões de euros, o que representa um recuo face aos 454 milhões de euros do ano anterior.

 

Marinha Grande suporta excedente comercial do distrito

O concelho da Marinha Grande continua a ser o que, destacadamente, mais contribui para o saldo comercial do distrito, com 301 milhões de euros em 2016, numa ligeira subida face aos 299 milhões de euros do ano anterior. Este resultado deriva de exportações 532 milhões de euros (mais 6% face a 2015) e importações de 231 milhões de euros (mais 13% face ao 2015).

COMÉRCIO INTERNACIONAL POR CONCELHO 2016

Saldo comercial 2016 Exportações % distrito Importações % distrito
Alcobaça 80 238 12% 157 11%
Alvaiázere -2 1 0% 2 0%
Ansião -10 13 1% 23 2%
Batalha -22 53 3% 74 5%
Bombarral 17 28 1% 10 1%
Caldas da Rainha 1 109 5% 108 7%
Castanheira de Pêra 2 4 0% 1 0%
Figueiró dos Vinhos 1 1 0% 0 0%
Leiria 18 582 29% 564 38%
Marinha Grande 301 532 26% 231 16%
Nazaré -1 19 1% 20 1%
Óbidos -13 12 1% 24 2%
Pedrógão Grande 14 16 1% 3 0%
Peniche 33 116 6% 83 6%
Pombal 48 170 8% 122 8%
Porto de Mós 89 137 7% 48 3%
Fonte INE; valores em milhões de euros salvo indicação em contrário, análise a preços correntes

Destaque para o facto de o concelho de Leiria ter passado de um défice de 11 milhões de euros em 2015, para um excedente comercial de 18 milhões de euros em 2016. Esta variação fica a dever-se a uma subida de 5% nas exportações, para os 582 milhões de euros, face a um recuo de 0,4% nas importações, que se situam agora nos 564 milhões de euros.

Os outros concelhos que mais contribuem, de forma favorável, para o excedente comercial do distrito são Porto de Mós (com 89 milhões de euros) e Alcobaça (com 80 milhões de euros).

Tal como em 2015, apenas cinco concelhos (Batalha, Óbidos, Ansião, Alvaiázere e Nazaré) apresentam uma situação de défice comercial.

 

Máquinas aparelhos e moldes no topo das exportações

Os produtos mais exportados continuam a ser as máquinas aparelhos e moldes, que representam 25% das exportações, tendo subido 8% entre 2015 e 2016. Em segundo lugar surgem os plásticos, que representam 17% das exportações e subiram 7%. Seguem-se a pedra o cimento e o vidro, que representam 16% das exportações e cujas vendas ao exterior aumentaram também 7% no último ano.

SECÇÕES MAIS EXPORTADAS NO DISTRITO DE LEIRIA 2016

Secção Exportações Peso nas Exp. Var. Exp 16/15
Máquinas, Aparelhos e Moldes 487 25% 8%  
Plástico 333 17% 7%  
Pedra, cimento e vidro 314 16% 7%  
Metais 208 11% -1%  
Produtos Alimentares e Bebidas 159 8% 15%  
Produtos das Ind. Químicas 107 5% -7%  
Animais e produtos do reino animal 61 3% -20%  
Produtos Vegetais 69 4% -6%  
Material de transporte 66 3% 22%  
Têxteis 50 3% -1%  
Calçado 52 3% 10%  
Madeira 36 2% -14%  
Fonte INE; valores em milhões de euros salvo indicação em contrário, análise a preços correntes

Entre as secções mais exportadas, mas em queda, estiveram apenas os metais (-1%), produtos das indústrias químicas (-7%), animais (-20%), vegetais (-6%), têxteis (-1%) e madeira (-14%).

 

Maiores países de destino reforçam posição

O Top5 de destinos de exportação do distrito mantém-se inalterado, sendo liderado por Espanha (30%), França (16%), Alemanha (13%), Reino Unido (6%) e Estados Unidos (4%), que absorvem, no seu conjunto, 70% das exportações de Leiria.

MAIORES DESTINOS DE EXPORTAÇÃO DISTRITO LEIRIA 2016      
País Exportações Peso no total Var. 2015
Espanha 614 30% 11%
França 329 16% 8%
Alemanha 273 13% 4%
Reino Unido 123 6% -2%
Estados Unidos 80 4% 0%
Países Baixos 49 2% -1%
Itália 46 2% 16%
Argélia 44 2% 51%
Angola 44 2% -39%
República Checa 33 2% 20%
Polónia 31 2% 24%
Bélgica 29 1% 10%
Fonte INE; valores em milhões de euros salvo indicação em contrário, análise a preços correntes

Espanha viu reforçar a sua posição, com as exportações para este país a subirem 11% em 2016. Entre os principais destinos europeus, as maiores subidas percentuais cabem à Polónia (+24%), República Checa (+20%) e Itália (+16%).  De destacar ainda a queda de 39% das exportações para Angola e a subida de 51% das vendas para a Argélia.

 

REDACÇÃO | Célia Marques cmarques@leiriaeconomica.com

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.