Ucrânia | Washington adverte Moscou contra novas invasões

(Washington) Os Estados Unidos pediram na quarta-feira à Rússia “esclarecimentos” sobre movimentos “extraordinários” de tropas perto da fronteira russo-ucraniana, alertando Moscou contra a tentação de cometer um “grave erro” ao reproduzir o cenário de 2014 que deu início à guerra.




“Pedimos que a Rússia seja clara sobre suas intenções”, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby. Ele descreveu “atividade militar incomum na Rússia perto da fronteira com a Ucrânia”, devido à “escala” e “amplitude” dos movimentos.

“Não temos clareza sobre as intenções de Moscou, mas conhecemos sua estratégia”, disse o chefe diplomático dos Estados Unidos, Anthony Blinkin, em Washington, em uma entrevista coletiva com seu homólogo ucraniano Dmytro Kuleba.

“O que nos preocupa é que a Rússia está cometendo um grande erro ao tentar repetir o que fez em 2014, quando concentrou suas forças ao longo da fronteira e entrou em território ucraniano soberano, enquanto afirmava erroneamente ter sido provocado”, acrescentou. “A estratégia observada no passado é provocar provocações para justificar a implementação do que planejaram desde o início”, acrescentou.

Porém, “se há provocações hoje, elas vêm da Rússia, com esses movimentos de forças que vemos ao longo da fronteira ucraniana”.

Assim, Anthony Blinken disse que está acompanhando isso “de perto” em consulta com os aliados americanos, ao mesmo tempo que recebe a “notável moderação” de Kiev.

Ele reiterou ao seu homólogo o apoio “inabalável” dos EUA à “soberania, independência e integridade territorial” da Ucrânia.

O Pentágono exortou Moscou a “respeitar os acordos de Minsk”, que prevêem, em particular, a desmilitarização da fronteira russo-ucraniana.

See also  Charlottesville pode finalmente remover estátuas de generais confederados

A mídia norte-americana noticiou os movimentos de tropas russas perto da fronteira com a Ucrânia no final de outubro.O Pentágono, que havia confirmado que estava “monitorando de perto” a fronteira, não deu detalhes.

O ministro ucraniano saudou este apoio dos EUA, porque “a melhor maneira de deter a agressividade da Rússia” segundo ele “é demonstrar claramente ao Kremlin que a Ucrânia é forte, mas também que tem aliados fortes que não o farão. Saia sozinho em face da agressividade cada vez maior de Moscou. ”

Mas Kiev negou no início de novembro qualquer movimento russo incomum.

Os militares ucranianos explicaram que os movimentos relatados eram “deslocamentos de tropas após os exercícios” e consideraram que a publicação de denúncias de fortalecimento do exército russo poderia ser uma operação “psicológica” contra a Ucrânia.

A região de Donbass, no leste da Ucrânia, está no meio de uma guerra desde 2014 que deixou mais de 13.000 mortos entre as forças de Kiev e separatistas pró-russos, dos quais o Kremlin é padrinho militar, apesar de negar.

A região continua particularmente vulnerável ao estresse. Já em abril passado, o Ocidente estava alarmado com o grande deslocamento de tropas russas na fronteira, o que levantou temores de uma escalada.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *