O escritor Eduardo Lorenzo morreu

Foi um dos pensadores mais destacados e um símbolo da cultura portuguesa nas últimas décadas. Nasceu a 23 de maio de 1923 em Almeida, Beira Alta.

Em 2018 foi o protagonista e narrador da história, no filme de Miguel Gonçalves Mendes “O Labirinto da Saudade”. O filme adapta a obra homogénea de Eduardo Lorenzo e segue uma viagem pela cabeça do pensador português, constituindo por si só uma “homenagem em vida” de realizador a ensaísta.

Hoje ele saiu de cena no entanto Ele deixa a marca de “grande originalidade” em seu pensamento – De acordo com a página atribuída a você do Centro Cultural Nacional – e a foto permitida do autor “O único reflexo inteligente na política nacional”Conforme definido pelo poeta Herbert Helder em uma carta de 1978.

Apaixonado por literatura, Ele se referiu aos livros como “as crianças” e disse: “A ausência de livros significa sua morte.”. Mas foi sobretudo na poesia, mais do que na prosa, que se centraram os seus artigos, desde Luís de Cam كام es a Miguel Torga, passando por Fernando Pessoa.

Homem de esquerda, mas com um ponto de vista crítico a esta corrente, o ensaísta não se envergonhou em nenhuma escola de pensamento.

Em 1949 parte para a França, a convite do Reitor da Faculdade de Letras da Universidade de Bordéus, com bolsa de estágio da Fundação Fulbright.

Em 1953 ele começou sua carreira acadêmica, Ele estudou em várias universidades europeias e americanas, Especificamente em Hamburgo e Heidelberg, na Alemanha, Montpellier, Grenoble e Nice, França e Bahia, no Brasil, e outros.

Casou-se com Annie Salamon, em Dinard, em 1954, e a partir de 1960 morou na França. Cinco anos depois, em 1965, residia em Vence, na região dos Alpes-Marítimos, no sudeste da França, mas sempre manteve uma ligação com o seu país de origem, reflexo da sociedade portuguesa.

“Como pode um homem nascido em S. Pedro ser um Ryo Seco não português?”Em 1986, o escritor disse no Jornal de Letras, Artes e Ideias.

A temática da Europa e do lugar de Portugal na Europa repete-se nas obras do autor, e “O Labirinto da Saudade”, 1978, a sua obra mais famosa, é um exemplo de “discurso crítico sobre as imagens que nós próprios forjamos”, como dizia o próprio autor. Às 12h00 de quarta-feira, nos Jerónimos, haverá uma assembleia celebrada por Manuel Clemente e Tolentino Mendonça.

Aos 95 anos, Eduardo Lorenzo, em entrevista à Lusa, admitiu este O Natal era difícil de “suportar” porque eu sabia que era “o começo do fim”, mas não o via como “trágico”.Porque “todos nós enfrentamos esse requisito.”

“Tragédia, por si só, não podemos escapar do que nos espera, será uma injustiça para com todas as outras pessoas, que foram nossas e que já morreram, que não tenhamos suportado o que elas suportaram quando o seu fim.” “Ele vai morrer como se todos que nos conheciam e nos amavam estivessem conosco.”

READ  Sarah Sampaio atacou após a destruição de Andre Ventura: os fascistas deixaram a cova - para ferver

Marcelo Rebelo de Sousa lamenta a morte do seu “amigo” e “sábio”

O Presidente da República já lamentou a morte de Eduardo Lorenzo e agradeceu a este “sábio” e “amigo”.

“Desde o início da segunda metade do século passado, Eduardo Lorenzo tem sido Nosso redator e crítico mais importante, nosso pensador público mais proeminenteÉ lido em uma nota postada em Localização A presidência.

Tendo vivido décadas em França e sendo estruturalmente adepto dos francófilos, alguns “estrangeiros” eram muito obcecados pela sua relação com os súditos portugueses, com a cultura, identidade e mitos portugueses, com todas as suas massas, mudanças e apuros. ”

Por isso, nunca foi alheio aos debates da nossa época nem aos caprichos da política. Devemos-lhe algumas das leituras mais decisivas de Pessoa, sugerindo antes e depoisE um envolvimento muitas vezes não convencional em questões religiosas, filosóficas e ideológicas contemporâneas, do existencialismo ao cristianismo monoteísta e à revolução.

“Vencedor de vários prêmios, entre eles Pessoa e Camões, quatro vezes distinguidos com candidaturas nacionais, e também reconhecido no exterior, o Prof. Dr. Eduardo Lourenco deu-me a honra de ser membro do Conselho de Estado”, escreveu Marcelo Rebelo de Souza.

“Eu apresento para seus familiares Minhas mais sinceras condolências pela perda deste sábio amigoA partir desta figura básica para o Portugal em que vivemos. ”

Esta manhã, em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa disse ser “uma coincidência simbólica” que “o maior pensador de Portugal nos tenha deixado no Dia da Independência”.

Antonio Costa confirma o dia de luto nacional

O primeiro-ministro Antonio Costa lamentou a morte do ensaísta Eduardo Lorenzo, lembrando de um amigo e companheiro com quem havia aprendido muito.

“É especialmente para mim um momento de grande tristeza. Este é um amigo, um companheiro, alguém com quem tive a oportunidade de ser privado, de aprender muitoIsso nos deixa “, disse Costa.

O Primeiro-Ministro sublinhou que este momento é também um “convite a conhecer a obra” de Eduardo Lorenzo e a dar continuidade ao pensamento deixado pelo escritor. “Definitivamente será a sua vontade.”

Antonio Costa destacou ainda a importância de Eduardo Lorenzo na reflexão sobre “factores de imortalidade nacional”, destacando o livro “Labirinto da Saudade”, “que é certamente um dos artigos mais destacados da reportagem portuguesa”.

O chefe de estado também confirmou que Quarta-feira será um dia nacional de luto.

“É com grande tristeza que lamento a morte de Eduardo Lorenzo, uma daquelas raras figuras que conseguiu o privilégio do respeito coletivo e da admiração pública”, escreveu o primeiro-ministro no Twitter.

READ  A imprensa italiana está em chamas pelo 760 "King" Cr7

O Presidente da Câmara Municipal da Guarda decretou ainda dia de luto ao concelho, com a bandeira de meio mastro, a ser celebrado quarta-feira, em homenagem ao autor do artigo.

Vida academica

O mais velho de sete irmãos, filho de soldado do Exército, frequentou o ensino básico na aldeia em que nasceu, e depois matriculou-se no Colégio Militar de Lisboa, onde completou os estudos em 1940.

Ingressou na Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra, que desistiu para posteriormente comprovar nas ciências histórico-filosóficas na Faculdade de Letras da mesma instituição.

Era Um dos “melhores da filosofia, não porque repetia as aulas como um papagaio, mas porque revelava um intenso espírito crítico e uma ideia verdadeiramente independente”.Segundo a descrição, para a revista Prelo que o tornou escritor e mentor Mário Braga.

Eduardo Lorenzo completou seu testemunho em 1946 com um tratado sobre “O sentido da dialética no idealismo absoluto”.

No ano seguinte passou a lecionar como assistente e colaborador do Professor Joaquim de Carvallo, e em 1949, Com apenas 26 anos, ele compilou parte de sua tese de testemunho no primeiro volume de uma obra intitulada “Heterodoxia”, “Uma das cartas de ensaio mais nobres e inquietantes de toda a nossa história literária”, na classificação do professor e redator Eugenio Lisbon.

Antes, em 1944, Eduardo Lorenzo começou a colaborar com Vértice, gravura em que estreou com o poema “Aceitação”, precursor de “Heterodoxia”.

Através das “Crónicas Heterodoxas” colaborou também com o Diário de Coimbra, publicação histórica da cidade onde conviveu com o escritor Vergílio Ferreira e onde se associou a uma certa forma de existencialismo, influenciado por filósofos como Heidegger, Nietzsche, Husserl, Kierkegaard e Sartre, e pela leitura do livro como Dostoievsky, Kafka e Camus.

Prêmios, homenagens e condecorações

Em 1988, ele foi professor aposentado na Universidade de Nice Ele recebeu o Prêmio de Ensaio Europeu Charles VeillonQuanto ao conjunto da obra, um ano mais tarde assumiu o cargo de assessor cultural da embaixada de Portugal em Roma, onde permaneceu até 1991.

Vários prêmios se seguiram, com Destaque para o Prêmio Camões, em 1996E o Prêmio Pessoa em 2011.

Recebeu também os prêmios Antonio Sergio (1992) e Dr. Denis (1996), Virgilio Ferreira (2001), Universidade de Lisboa (2012), Jacinto de Prado Coelho (em 1986 e 2013), Prémios Vasco Graça Moura (2016), entre outros. Outras.

Entre as homenagens e distinções, Eduardo Lorenzo recebeu as encomendas do Oficial Superior em Santiago e Espada (1981), o Infante Dr. Grã-Cruz da Medalha da Liberdade (2014).

READ  Ucraniano apanhado a conduzir embriagado acusando o PSP de Vila de Conde de agressão, perseguição e xenofobia - Portugal

A França concedeu-lhe a Ordem do Mérito Nacional (1996), a Medalha das Artes e Letras (2000) e a Legião de Honra (2002), e em 2008 recebeu a Medalha do Mérito Cultural do governo português e a Ordem do Mérito. Da Espanha.

Doutor Honoris Causa pelas Universidades do Rio de Janeiro, Bolonha, Coimbra e Nova de Lisboa, Tomou posse no dia 7 de abril de 2016, na qualidade de assessor estadual, indicado pelo atual presidente da república, Marcelo Rebelo de Sousa.

No mesmo ano, ganhou o Prêmio Europeu Helena da Silva pela publicação de patrimônio cultural, anteriormente com o cartunista francês Jean Plantouro, mais conhecido como Planto.

O ministro lamenta a perda de “uma das mentes mais brilhantes” do país

A ministra da Cultura Graça Fonseca lamentou a morte da redatora, que descreveu como “uma das mentes mais brilhantes deste país”.

O ministro acrescentou que “Eduardo Lorenzo foi pelo menos um pensador, inteligente e sensível, e um lutador incansável no caos dos dias”.

Em nota enviada às redações, o ministro da Cultura, Eduardo Lorenzo, identificou-o como “uma das mentes mais brilhantes de Portugal”.

“Através do nosso património literário, Portugal interpretou, pensou na Europa e questionou o mundo, com liberdade e autenticidade que o tornam não só um dos principais autores da literatura portuguesa, mas também um farol cuja luz ilumina séculos de pensamento e cultura portugueses.”

Jorge Sampaio lamentou ainda a morte de Eduardo Lorenzo, sublinhando que “Portugal perdeu um dos seus cidadãos mais destacados”.

“Lembro-me com muito carinho do pensador do fundo da existência, do distinto mundo da literatura, das artes e da cultura, do grande humanista contemporâneo, cujo ser português não pode ser separado do europeu e vice-versa”.

“Eduardo Lorenzo foi e sempre será uma das maiores referências da cultura portuguesa”, diz Jorge Sampaio, acrescentando que o filósofo Ele tinha o raro talento para elevar qualquer conversa, por mais trivial que fosse, pois fornecia perspectivas inesperadas, novas informações e conhecimentos. Ou faça comentários que pareçam indefinidos, sempre destaque o verso das coisas. ”

O autor Manuel Allegri relembrou seu papel como Eduardo Lorenzo como um personagem “parte de nós”.

“É uma pessoa que pensa que não consideramos ninguém mais”, disse Manuel Allegri em entrevista ao RTB no Jornal da Tarde. “Ele fez um percurso dentro de si, na nossa relação connosco e na nossa relação com o mundo.”

O sociólogo Boaventura de Sousa Santos destacou a “extraordinária influência” de Eduardo Lorenzo “na forma como percebemos e compreendemos Portugal a partir do dia 25 de abril e a nossa relação com a Europa”.

R: Depois de amanhã

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *