Haiti: Policiais libertam à força colegas presos

Um representante do sindicato anunciou que policiais haitianos ocuparam uma delegacia de polícia em Porto Príncipe na quarta-feira, até que quatro policiais foram libertados, considerados detidos e injustamente presos.

Leia também: Haiti: A operação anti-gangue termina com a morte de quatro policiais

Leia também: Haiti: Vários policiais mortos em uma operação anti-gangue

Leia também: Haiti: A sangrenta fuga da prisão em fevereiro permitiu a cumplicidade e a falta de guardas

Esse confronto ocorreu à margem de uma manifestação policial, expressando sua indignação com a morte de quatro de seus colegas em uma recente operação trágica contra as gangues.

Fardados, policiais de um grupo denominado “Phantom 509”, alguns deles mascarados e armados, explicaram aos meios de comunicação presentes no local que poderiam se tornar violentos caso seus companheiros não fossem libertados.

“A polícia libertou seus colegas que estavam na delegacia de Delmas 33”, disse à AFP o coordenador da Polícia Nacional do Haiti, Jean Idler Lundy.

“É fruto de 25 anos de frustração, em resultado dos maus tratos a que a polícia é submetida há quase 25 anos”, justificou o inspector da delegacia.

Os motivos e a duração da prisão desses quatro policiais não foram especificados, e um porta-voz da fundação não respondeu aos pedidos da AFP.

Na manhã de hoje, quarta-feira, manifestantes do grupo “Phantom 509” cruzaram os principais pólos da capital haitiana para denunciar a posição do Alto Comando da Polícia Nacional do Haiti, que considerou responsável pela recente operação contra as gangues que se viraram. Em um fiasco.

Quatro policiais foram mortos durante essa intervenção no empobrecido bairro Village de Dieu, e a polícia ficou ainda mais humilhada ao ver membros de gangues confiscando seus equipamentos.

READ  A permissibilidade da vacinação é lógica

Na noite de terça-feira, a Liga Nacional de Direitos Humanos anunciou em sua página do Facebook, com o vídeo de apoio, que um veículo blindado que havia sido abandonado foi imediatamente recuperado. No entanto, ainda não recuperou os corpos dos policiais mortos durante a operação.

“Em vez de buscarem os corpos para o enterro, eles foram buscar seu veículo blindado”, disse Jan Edler na segunda-feira. “É isso que frustra a polícia e por que eles se manifestaram hoje”, disse o sindicalista.

Os manifestantes exigem a saída de Leon Charles, diretor da Frente Nacional pelos Direitos Humanos, “o primeiro oficial”, como disseram, pela morte de seus colegas.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *