G20 concorda com reforma tributária, ainda inseguro dos compromissos climáticos

Roma, Itália | Líderes das principais economias do Grupo dos Vinte (G20) concordaram sábado em Roma com impostos mínimos para empresas multinacionais, enquanto europeus e americanos chegaram a uma trégua em sua luta pelo aço. Mas as negociações vão tão longe a ponto de chegar a um acordo climático.

Um alto funcionário da Casa Branca disse na noite de sábado que alguns elementos da declaração climática final “ainda estão em negociação”.

Mesmo que o progresso ainda possa ser feito até o final da reunião de domingo, algumas cópias de trabalho do comunicado que está sendo negociado fazem as ONGs temer que o G20 não vá além das promessas já feitas durante a reunião. O Acordo de Paris, e não se compromete com um cronograma claro para atingir a meta de “emissões zero”.

Um resultado que será particularmente decepcionante, com a abertura da COP26 em Glasgow no domingo. Vai reunir uma grande variedade de países, mas o G20, que inclui países desenvolvidos como os Estados Unidos e membros da União Europeia, mas também grandes economias emergentes como China, Rússia, Brasil ou Índia responde por 80% do global aquecimento das emissões de gases.

O presidente italiano Sergio Mattarella voltou a apelar na noite de sábado em um jantar para os líderes do Grupo dos Vinte: “Não devemos deixar para aqueles que vêm depois de nós um planeta afligido por conflitos, seus recursos desperdiçados.” “É nossa responsabilidade fazer um avanço decisivo para superar esses fardos. Chegou a hora. Os olhos de bilhões de pessoas, povos inteiros, estão pousados ​​em nós e nos resultados que podemos obter”, insistiu.

Vários milhares de pessoas ainda estão protestando pelo clima na tarde de sábado nas ruas de Roma.

See also  Direitos humanos: China "condena veementemente" o comunicado de imprensa do G7

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, já havia percebido que a questão era difícil, especialmente para “alguns países que dependem do carvão”.

Muitos países emergentes, notadamente a China (cujo presidente Xi Jinping só intervém em Roma por videoconferência, como seu homólogo russo Vladimir Putin) ainda são altamente dependentes desse combustível fóssil, que emite muito dióxido de carbono, especialmente para operar suas usinas. No atual contexto de crise energética.

“O que realmente esperamos é o compromisso do G20 de acabar com o financiamento internacional do carvão”, disse o alto funcionário dos EUA na noite de sábado, também pedindo “uma retórica positiva sobre a descarbonização (…) do setor de energia” e o compromisso de “mais países” para reduzir as emissões de metano., que é outro grande gás de efeito estufa além do carbono.

luz verde para imposto global

Num futuro próximo, chefes de Estado e de governo deram a luz verde final para reformar o sistema tributário global, que prevê, em particular, a introdução de um imposto mínimo de 15% sobre as empresas multinacionais, com vistas à implementação até 2023.

Este “acordo histórico”, nas palavras da secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, que o anunciou no sábado, será formalmente adotado na declaração de encerramento do G20 no domingo.

Há quatro anos, tenho lutado para aplicar um imposto internacional de pelo menos 15% às empresas multinacionais. Esta noite, chegamos! O presidente francês Emmanuel Macron tuitou, enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel, saudou um “grande sucesso” e “um claro sinal de justiça”.

Em Roma, a secretária de Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo, revelou outro acordo “histórico”, desta vez para aumentar algumas tarifas sobre as importações de aço e alumínio que prejudicaram as relações comerciais entre Washington e Bruxelas desde que o governo Trump impôs esses impostos. Isso deve permitir que “quantidades limitadas de importações europeias de aço e alumínio entrem nos Estados Unidos com isenção de impostos”.

See also  França | Candidato quer restringir a imigração "descontrolada" para a França

O comissário europeu de Comércio, Valdis Dombrovskis, confirmou a trégua no Twitter e disse que o acordo seria anunciado oficialmente no domingo pela presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, e pelo presidente dos EUA, Joe Biden.

Uma autoridade dos EUA anunciou no sábado que este último planeja se encontrar com seu homólogo turco Recep Tayyip Erdogan naquele dia, em um contexto de tensões entre esses dois aliados da OTAN.

Emmanuel Macron discutirá seu lado cara a cara com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que reclamou com von der Leyen no sábado sobre as ameaças “completamente injustificadas” de Paris sobre as licenças de pesca após o canal.

Depois de uma ofensiva diplomática com vários líderes europeus, o presidente argentino Alberto Fernandez, por sua vez, pôde se parabenizar no sábado por um “bom encontro com a Diretora-Gerente do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, para avançar nas negociações” sobre o reescalonamento da dívida do país sul-americano, que ele diz estar fazendo “com firmeza”.

Para ver também …

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *