Carcassonne. USC XV: José Lima, mais caracasiano que o português

Básico
3/4, de 28 anos, natural de Coimbra, regressa regularmente a Portugal, nomeadamente para degustar as refeições da mãe. Isso não o impede de florescer perfeitamente em Carcassonne, onde se casou com Carcassonese.

Portugal? Outro campo de futebol. Mas não só. Em solo de Fernando Pessoa, também sabemos aguentar as tentativas de “defesa” e os golos de golo. José Lima, 28, 3/4 da USC XV, é um dos logotipos do rúgbi lusitano. Mas como “fazer barulho” em um mundo onde a bola redonda manda, no país de Eusebio ou Cristiano Ronaldo? “Isso porque quando eu era pequeno, com meus pais, íamos de férias para a praia. Havia torneios de rúgbi na praia e eu adorava. Então, quando eu tinha seis anos, no início de setembro, comecei a jogar rúgbi. Meu pai se interessava muito. E os irmãos da minha mãe também praticavam … Diz José Lima, que admite prontamente que sempre foi mais fascinado por esportes, cinema ou boa comida do que pelos estudos.

O filho de Coimbra, internacional português, é hoje o orgulho da sua grande família, os seus pais são professores, a sua mãe estuda filosofia no liceu e o seu pai também tem filosofia e ética desportiva na faculdade. É preciso dizer que o menino rapidamente se estabeleceu na campina. Aos 20 anos, em 2012, ingressou no Racing Club Narbonnais Training Center.

“Fui avistado enquanto jogava o XV e o VII com a selecção de Portugal. O meu sonho era chegar a tal clube … Tive de escolher entre o Narbonne ou o Pau ou mesmo o Uyunax, ele escolheu o sol.” Ele ri.

Seu curso? Dois anos em Narbonne, também em Carcassonne, dois anos sempre em Oyonax, depois voltando para casa, em Carcassonne. “Me integrei bem em Carcassonne. Prova, me casei com Carcassonese, Marie. Abriu a cidade para mim, me permitiu fazer amigos fora do rugby, ter uma vida social fora do esporte.”

READ  Pioneiro de 'baixo custo'

Portanto, o homem em Carcassonne se sente em casa. “Eu amo esta cidade, ela está realmente bem localizada, não muito longe da Espanha, não muito longe das pistas de esqui, perto de Toulouse e Montpellier, além do aeroporto, então o que mais você poderia querer?”

José regressa regularmente a Portugal e os seus pais, que falam francês fluentemente, não hesitam em visitá-lo. “Continuo muito apegado a Portugal, com raízes …” o futuro ? “Gostaria de me tornar treinador depois da carreira. Também penso em catering, gosto de boa comida e comunicação. Não me vejo trabalhando em um escritório …” Sempre ao ar livre.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *