Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Augusto Mateus recomenda aumentos de produtividade e da poupança

Para sair desta crise é necessário encontrar um equilíbrio entre eficiência e equidade, e isso só se consegue se «promovermos o aumento da produtividade e estimularmos a poupança». Estas são as soluções apontadas por Augusto Mateus, economista, num jantar-conferência, promovido pela NERLEI – Associação Empresarial da Região de Leiria, no dia 19 de Novembro, que reuniu cerca de 160 empresários e dirigentes públicos.

O ex-ministro da Economia referiu que, neste momento, o «Governo devia estar a propor um Grande Plano de Poupança Nacional» e que é «necessário ter coragem de reformar o sector público, modernizando-o».

Questionando, a título de exemplo, a razão pela qual a «nossa Constituição prevê que a Assembleia da República tenha entre 180 e 230 deputados e nós optamos precisamente pelos 230», o economista alertou, ainda, para o excessivo número de freguesias no país, algumas delas com poucas centenas de habitantes, outras com dezenas de milhar, tornando-se, quer umas, quer outras, ingovernáveis do ponto de vista de eficiência.

Procurando explicar o que tem de novo esta crise, Augusto Mateus referiu que «os problemas que temos hoje não são de falta de procura, mas de falta de competitividade, inteligência e eficiência. É necessário criar mais riqueza, e isto não se resolve com mais investimento do Estado. Temos uma crise de sobre-investimento, sobre-consumo e sobre-endividamento», afirma.

Augusto Mateus, que foi ministro da Economia do Governo de António Guterres, é da opinião que «já perdemos (o País) o controlo da nossa solução. Ela vai ser construída com os nossos credores e com as organizações internacionais responsáveis pelas políticas macroeconómicas».

Após ter explicado as características específicas desta crise e antes de apontar as soluções, Augusto Mateus teve ainda tempo para explicar quais os factores que, na sua opinião, estiveram na base desta crise: a opção pelo presente; a preferência pelo doméstico; e a exigência da coesão social a todo o custo.

Ou seja, para o economista, o facto de se estar a gastar no presente sem preocupação de quem e como se vai pagar no futuro; a pouca predisposição para a internacionalização da economia portuguesa e a defesa a todo o custo de políticas de coesão social mesmo quando o País não cresce, foram os principais motivos que levaram à situação actual.

NERLEI

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.