Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Actualidade

Critical cria fundo corporativo de 10 milhões para apoiar start-ups

O grupo Critical anunciou hoje que vai criar um fundo de capital de risco no valor de dez milhões de euros destinado a apoiar o lançamento de empresas de base tecnológica, denominadas start-ups.

Designado “Critical Ventures I”, o fundo entrará em funcionamento até ao final de Março e incluirá capital do próprio grupo e de investidores financeiros nacionais e internacionais, disse à Lusa Rui Melo Biscaia, director do departamento de marketing.

«Dos dez milhões de euros, já angariámos metade», acrescentou o responsável, sublinhando que a ideia do fundo é «servir como alavanca, empurrão, para aquele período [antes de constituição da empresa] em que não existam mecanismos de apoio às ideias de negócio».

O Critical Ventures assumirá a forma de um fundo de capital corporativo e destina-se a «investir em operações ‘early-stage'[em fase inicial], ou seja, constituir-se-á como ‘Seed Capital’ [financiamento para criação] para apoiar ‘Start-ups’ – financiamento de empresas em fase de instalação ou cuja operação tenha sido iniciada muito recentemente e cujo volume de vendas seja ainda pequeno», refere uma nota hoje divulgada pelo grupo.

Servirá também para financiar o «amadurecimento de soluções tecnológicas de elevado potencial» e, ocasionalmente, poderá investir em «operações de ‘Late Venture’, isto é, em empresas e produtos com muito maior maturidade, por exemplo quando pretenderem lançar novo projectos/produtos ou abraçar novos mercados».

Gonçalo Quadros, administrador da Critical SGPS (holding que agrupa as participações nas empresas do Grupo Critical) justifica a criação do fundo com o facto de «o mercado português – e mesmo europeu – de capital de risco na área do ‘early-stage’ ser limitadíssimo».

Tal facto, considerou, «condiciona muito a agilidade e flexibilidade necessárias para se tirar partido, com eficácia, do potencial de novas soluções tecnológicas que o país é capaz de produzir».

«Existe um enormíssimo talento que precisa de ter um contexto adequado para se colocar ao serviço do modelo de desenvolvimento económico que queremos para Portugal. São esses talentos e as ideias dos jovens empreendedores, desde logo os que temos dentro da Critical, que queremos fomentar e apoiar», adiantou.

Diamantino Costa, administrador da Critical Ventures, salienta que o fundo visa «permitir que novos talentos tenham oportunidade de lançar novas empresas e, num prazo entre três a cinco anos, provem que possuem o que é necessário para vingar no mercado».

Sedeado em Coimbra, o grupo Critical integra a Critical Software, a Critical Links, Critical Manufacturing, Critical Health, Critical Materials e Critical Move.

Com a criação do fundo, o grupo Critical espera «melhorar substancialmente a sua capacidade em financiar projectos de comercialização tecnológica no mercado global».

Lusa

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros. 

Exportações de moldes atingem novo recorde em 2016

Em 2016, as exportações da indústria portuguesa de moldes ascenderam a 626 milhões de euros, o que representa o quinto recorde consecutivo e a primeira vez que ultrapassam a barreira dos 600 milhões de euros. Aquele valor representa um acréscimo de 92% face a 2010.