Javascript desactivado

Para completa funcionalidade deste site é necessário activar o JavaScript. Aqui estão as instruções de como activar o JavaScript no seu navegador.

Empresas

Grupo Plasdan desenvolve colectores solares térmicos

Célia Marques
cmarques@leiriaeconomica.com

O Grupo Plasdan – sedeado na Marinha Grande, vocacionado para o fabrico de moldes e equipamento complementar para a indústria de plásticos – encontra-se a desenvolver equipamento para a área das energias renováveis, respondendo assim ao expectável crescimento da procura no sector. Em causa estão os primeiros colectores solares térmicos em plástico «com elevado nível de rendimento», explicou Paulo Silva, director-geral, ao Leiria Económica. O lançamento está previsto para Março do próximo ano.

«Reinterpretámos o funcionamento dos colectores térmicos para os fabricarmos em materiais poliméricos, com todas as vantagens que daí resultam relativamente à utilização de metal», explicou o responsável.

O principal foco de inovação – adianta – está no desenho dos colectores PlasdanEcoSystems – já patenteados e apresentados recentemente no Salão Internacional da Inovação e Tecnologias para a Indústria (SINOTEC) – e na forma como aproveita toda a energia solar disponível. A utilização de materiais poliméricos associados à injecção multi-componente, permite atingir maior resistência à temperatura, ultrapassando assim o principal obstáculo à utilização de plástico neste tipo de produtos.

Matéria-prima e processo produtivo garantem «mais baixo preço por metro quadrado do mercado»

As principais vantagens dos colectores estão relacionadas com a utilização de materiais poliméricos de elevado rendimento, em detrimento do metal. «Trata-se de uma matéria-prima mais barata, mais leve, e que funciona, por si só, como isolante térmico, retendo a temperatura durante mais tempo», adianta. Vantagens também ao nível do processo produtivo, uma vez que os painéis podem ser fabricados por método de injecção multi-componente, num ciclo mais curto, com menos custos energéticos e de mão-de-obra.

Para o utilizador final, a principal vantagem é o preço – «o mais baixo por metro quadrado do mercado», garante – para um colector que promete uma maior rentabilidade em termos energéticos, destacando-se «a rapidez no aquecimento da água». O reduzido peso por metro quadrado e a simplicidade do método de instalação – que dispensa a presença de um técnico especializado – consubstanciam o conceito do it your self que a empresa idealizou para o produto.

Os colectores PlasdanEcoSystems estão preparados para colocação e funcionamento em qualquer parte do mundo, «recorrendo apenas a alterações ao nível da superfície selectiva – responsável pela maior ou menor absorção e consequente perda de radiação necessária ao seu funcionamento – no sentido de a adaptar ao clima de cada país», explica. A distribuição será assegurada pelos meios habituais para este tipo de produtos, onde se incluem grandes superfícies comerciais.

Dois anos de I&D em parceria com o INETI, PIEP e SPI

O primeiro produto da PlasdanEcoSystems é o culminar de dois anos de I&D no seio do Grupo, um processo que envolveu ainda o Instituto Nacional de Engenharia Tecnologia e Inovação (INETI), Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP) da Universidade do Minho e Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI), enquanto parceiros nas diferentes áreas do projecto.

A PlasdanEcoSystems é empresa que resulta de cinco anos de investigação na área das energias renováveis e que foi constituída com o objectivo de retirar partido do «know-how em engenharia de moldes e máquinas na área do multi-componente que o Grupo possui», adianta Paulo Silva. Através da adaptação de processos produtivos e de construção, a empresa irá produzir produtos para uma área «cujo potencial tem atraído investimentos dos maiores grupos empresariais em todo mundo», finaliza.

As mais lidas

Secil inaugura unidade de produção de microalgas em Pataias

A Secil inaugurou hoje, na sua fábrica em Pataias, Alcobaça, uma unidade de produção de microalgas. O projecto envolve a captação e utilização do CO2 ali gerado, por microalgas, que são depois canalizadas para os mercados que as aproveitam como ingrediente sustentável, natural e rico em compostos bioquímicos, nomeadamente para os da alimentação humana e animal. O investimento é de 15 milhões de euros.

Câmara vende Topo Norte do Estádio por 1,3 milhões para instalação das Finanças

O Município de Leiria aprovou esta terça-feira uma proposta de alienação da Torre Nascente do Topo Norte do Estádio Dr. Municipal Magalhães Pessoa, com uma área de construção de 4.500 metros quadrados, destinada a instalações para albergar e juntar num único local os Serviços de Finanças locais e distritais de Leiria. O valor da alienação do prédio é fixado em  1.339.503 euros.