Washington pede “evitar a militarização” do Ártico

O chefe da diplomacia norte-americana, Anthony Blinken, pediu nesta terça-feira na Islândia que “evite militarizar” o Ártico, em um alerta à Rússia, que na véspera, defendeu suas atividades militares nesta região estratégica.

Leia também: A Groenlândia está escurecendo devido à falta de neve nova, levando a um aquecimento acelerado

Leia também: Moscou avisa o Ocidente antes do encontro do Ártico

“Estamos preocupados com o aumento de algumas atividades militares no Ártico que aumentam o risco de acidentes ou erros de cálculo e minam o objetivo comum de um futuro pacífico e sustentável para a região”, disse ele à imprensa na Islândia na véspera de uma reunião do Conselho do Ártico em Reykjavik, onde se encontrará com seu homólogo russo Sergey Lavrov.

O Secretário de Estado dos EUA implicitamente pediu-lhe que “evite as declarações” como as que fez na segunda-feira, expressando sua “esperança” de que a cúpula do Ártico na quarta e quinta-feira “melhore a cooperação pacífica na região”.

“Esperamos que esse tipo de cooperação continue e o Ártico continue sendo uma área de cooperação pacífica”, disse Anthony Blinken.

Ele acrescentou, em resposta a uma pergunta sobre as declarações de Sergey Lavrov sobre “Devemos seguir em frente, incluindo a Rússia, com base nos padrões e compromissos que assumimos, evitando declarações que os enfraquecem.” Polo Norte.

O chanceler russo anunciou hoje, segunda-feira, que o Ártico é uma região de influência para a Rússia, alertando o Ocidente sobre suas ambições no extremo norte.

“Está claro para todos há muito tempo que essas são nossas terras”, disse ele, denunciando em particular as tendências ofensivas da OTAN e da Noruega no Ártico.

Por sua vez, Anthony Blinken criticou a Rússia por suas “reivindicações marítimas ilegais, especialmente no que diz respeito às regras para o trânsito de navios estrangeiros na rota do norte” ao longo da costa do Ártico russo.

READ  Trump exorta os republicanos a atacar Mitch McConnell

Ele disse que essas regras “contradizem o direito internacional, e isso é algo a que respondemos e continuaremos a responder”.

Veja também …

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *