voto. País católico, Portugal legaliza a eutanásia em meio a uma crise de saúde

Ontem, os legisladores portugueses aprovaram uma lei que autoriza a “morte medicamente assistida”. A exemplo do chefe do semanário Visão, alguns no país lamentam que essa votação, embora em grande parte previsível e positiva, tenha ocorrido no pior momento da pandemia do coronavírus.

Sem manchetes, muito menos manchetes sobre isso. A imprensa portuguesa saudou esta manhã com serenidade a decisão do parlamento de ontem de aprovar a legalização da eutanásia. Um tema, porém, tem sido objeto de intenso debate durante anos neste país católico, o quarto na Europa a permitir a morte medicamente assistida, depois da Holanda, Luxemburgo e Bélgica.

Leia também: Associação. Eutanásia: Portugal prepara-se para ‘cruzar uma linha até então inviolável’

Duas razões para isso: Em primeiro lugar, esperava-se uma votação amplamente positiva dos deputados (136 votos, 78 contra e 4 abstenções). O texto apresentado ontem é um resumo de cinco propostas de lei da eutanásia aprovadas há um ano. Mas, acima de tudo, esta votação foi realizada no contexto de uma emergência sanitária que mobilizou massivamente a mídia e os políticos durante um mês.

Pouco espaço de manobra para o presidente católico

“A aprovação da grande maioria dos deputados não deixa margem de manobra para Marcelo Rebelo de Sousa” Observe esta manhã Diário de Notícias. O presidente, que é católico devoto, tem uma semana para decidir se publica o texto, leva-o ao Tribunal Constitucional ou exerce o seu veto, obrigando o Parlamento a reapreciar o texto.

Leia também: Política. Portugal: Presidente cessante Marcelo Rebelo de Sousa é reeleito no primeiro turno

“a festa

[…] Leia mais no Courrier International

Leia também:

READ  Bill comprou o Groupe Octane e se tornou um promotor do Grand Prix du Canada

You May Also Like

About the Author: Aldina Antunes

"Praticante de tv incurável. Estudioso da cultura pop. Pioneiro de viagens dedicado. Viciado em álcool. Jogador."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *