Vitalina Varela é o melhor de quatro filmes para a crítica americana

“Vitalina Varela” de Pedro Costa foi eleita a 4ª melhor língua estrangeira do ano pela United States National Film Critics Association.

O anúncio, que colocava “Vitalina Varela” por trás do “coletivismo” romeno, de Alexander Nanao, os brasileiros “Pacorao”, Clipper Mendonca Filho e Juliano Dornelis, e o russo “Pinball”, Kantimir Balagov, foi feito por meio da conta do Twitter da entidade após a reunião anual de premiação Quinquagésimo quinto.

Na votação, “Coletivo” obteve 38 pontos, enquanto “Bacurau” e “Varapau” obtiveram 36 “ex aequo”, seguidos de “Vitalina Varela” com 32 pontos.

O filme de Pedro Costa também ficou em terceiro lugar na categoria Melhor Fotografia, superando os diretores Leonardo Simões James Richards (“Nomadland”) e Shabir Kirchner (“Lovers Rock”).

O grande vencedor desses prêmios foi o filme “Nomadland” de Chloé Zhao, que também ganhou as categorias Melhor Filme, Melhor Performance e Melhor Atriz atribuídas a Frances McDormand.

Segundo a Associação de Críticos, o processo foi realizado com sistema de votação ponderada, em que os participantes votaram em suas três opções para cada categoria (três pontos para a primeira escolha, dois para a segunda escolha e um para a terceira). A comunidade afirmou que “o candidato que obtiver mais pontos e que aparecer na maioria dos boletins de voto é o vencedor.”

A nomeada para o Oscar de melhor filme internacional “Vitalina Varela” estreou-se mundialmente em agosto de 2019 no Festival de Cinema de Locarno, na Suíça, onde conquistou os principais prémios: Leopardo de Ouro e Leopardo de Melhor Tradução Feminina.

Desde então, foi exibido e ganhou inúmeros prêmios em vários festivais internacionais de cinema, além de aparecer em várias listas de Melhor Filme do Ano. 19 dias atrás, a Variety o colocou na lista de possíveis candidatos ao Oscar de Melhor Filme Internacional.

See also  No hospital, os feridos têm alta no segundo dia, com mais mortes desde março

Pedro Costa conheceu Vitalina Varela quando ele interpretava “Cavallo Dinhero”, e acabou incluindo parte de sua história na narração, dando-lhe lugar de destaque no próximo filme.

A narração centra-se na chegada a Portugal de uma mulher cabo-verdiana três dias após a morte do marido, após 25 anos de espera pela passagem de avião.

Em Locarno, Pedro Costa explicou que filmes sobre a comunidade cabo-verdiana não são documentários: “Estamos a fazer algo mais épico”, a partir de uma relação que existe há 25 anos.

“Estou falando de pessoas que hoje vivem no esquecimento, dormem nas ruas e são submetidas a torturas. O cinema pode protegê-las de alguma forma, e se vingar de parte dessa situação, porque pode ser exibido em qualquer lugar”, disse.

You May Also Like

About the Author: Germano Álvares

"Desbravador de cerveja apaixonado. Álcool alcoólico incurável. Geek de bacon. Viciado em web em geral."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *