Vírus do futuro: o futuro é a transmissão por aerossol

lembrete. Nós consideramos tradicional Que a “gota” tem mais de 100 micrômetros de diâmetro (1 micrômetro = 1 milésimo de milímetro), mas a característica que se tornou mais importante este ano é a gota que alguém espera espirrar, cantar ou falar, obedece às leis de gravidade e cai rapidamente no chão – daí a A distância recomendada de 2 metros entre duas pessoas. Já os aerossóis, devido à sua baixa massa e resistência ao ar, podem “flutuar” por mais tempo – daí os perigos, muitas vezes repetidos neste ano, para salas mal ventiladas (para mais detalhes veja este texto).

No entanto, em um Uma revisão da literatura publicada 27 de agosto em CiênciaNo entanto, os autores afirmam amplamente que não é apenas o coronavírus. À luz do que aprendemos no último ano e meio, “Mais estudos são necessários para doenças respiratórias cuja transmissão até agora tem sido caracterizada por gotículas, porque é plausível que a transmissão por aerossol seja significativa, ou mesmo dominante.”

Na verdade, eles apontam, já se passaram quase 100 anos desde que se presumiu que os vírus viajam principalmente dentro de gotículas que uma pessoa infectada deixa cair e chegam aos olhos ou às vias respiratórias de outra pessoa. Exemplo). O transporte de aerossol, por sua vez, inclui “partículas” que permanecem mais tempo no ar ambiente, que são inaladas diretamente por essa outra pessoa: ou, Foi preciso esperar tuberculose no início dos anos 1960 a aceitar pela primeira vez que a transmissão por aerossol foi demonstrada.

Um paralelo também pode ser traçado, Resuma no Twitter Jose Luis Jimenez, um coautor da Universidade do Colorado, entre a lentidão para aceitar a transmissão por aerossol no século 20 e a lentidão para aceitar tal transmissão no novo coronavírus em 2020.

See also  Para acabar com os testes de feminilidade nos Jogos Olímpicos ciência | Notícias certo

Expandir esta definição para incluir muitos vírus respiratórios, incluindo os vírus da gripe, parece tornar a transmissão do vírus mais preocupante. Mas, ao mesmo tempo, é permitido dedos apontando Estratégias já comprovadas para reduzir o risco de transmissão – os sete autores também realizaram sua revisão de literatura nessas estratégias.

O mais comum Assim como a ventilação da sala. Porém, embora muito se tenha falado sobre as salas de aula há mais de um ano, parece que salas “arejadas” são mais raras do que podemos imaginar, por exemplo, em academias ou restaurantes. Portanto, a ventilação está no topo da lista de ferramentas preferidas, mas o uso de máscaras também ganha importância em áreas “de risco” de transmissão do vírus, assim como o uso de filtros de ar quando a situação permite. Por outro ladoSe os aerossóis forem vistos como um perigo maior, lavar as mãos e as superfícies de repente se tornará muito menos importante …

You May Also Like

About the Author: Irene Alves

"Bacon ninja. Guru do álcool. Explorador orgulhoso. Ávido entusiasta da cultura pop."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *