Vacinação obrigatória: “Como um campo de rosas cheio de espinhos”, explica um advogado

A linha tênue entre legalidade e desigualdade na vacinação obrigatória para todos é de acordo com Claude Gravel, advogado especializado em direito do trabalho que dirige a TVA Nouvelles.

• Leia também: Para a vacinação obrigatória? : ‘Já vimos muita gente sofrer e morrer’

• Leia também: Vacinação obrigatória de profissionais de saúde: reações mistas em Morrissey

• Leia também: Vacinação de Funcionários Federais: O sindicato Sagweni não está soando o alarme

“É como equilibrar as vantagens das obrigações de vacinação obrigatória com as desvantagens; estamos falando aqui de lei coletiva versus lei individual”, diz Claude Gravel.

Os governos terão que estudar o processo com muito cuidado, pois há muitas armadilhas no horizonte, diz o advogado.

Claude Gravel descreve: “É um pouco como um campo de rosas, há muitos cardos.”

Segundo ele, pode ser mais justificado para uma parte da sociedade ou para quem trabalha em determinado posto de trabalho, pois será fácil provar que é necessário garantir a segurança de uma pessoa.

No setor privado, cabe ao empresário garantir a responsabilidade de manter um ambiente de trabalho seguro para todos, mas no caso de uma pandemia, a tarefa é mais difícil.

“Os empregadores têm a responsabilidade de garantir a segurança de seus funcionários, então como eles podem lidar com funcionários que simplesmente aderem à vacinação versus aqueles que não acompanham o fluxo”, diz Claude Gravel.

Nos Estados Unidos, muitas grandes empresas começaram a exigir vacinas para seus funcionários. A CNN até demitiu três pessoas por se recusarem a receber uma dose.

Segundo o advogado, os empregadores podem ficar tentados a exigir o comprovante de vacinação como condição para manter o emprego. Por outro lado, pode ser considerada uma forma indireta de ordenar a vacinação de seus funcionários.

See also  Derek Chauvin pode ser absolvido?

“A escolha da vacinação é e deve ser uma escolha livre e voluntária. Portanto, a partir do momento em que o empregador fizer uma rotatória para atingir a meta da vacinação, isso pode ser contestado”, lembra o advogado.

Todos os cidadãos têm o direito de recusar a vacinação por motivos pessoais, médicos ou religiosos.

You May Also Like

About the Author: Hermínio Guimarães

"Introvertido premiado. Viciado em mídia social sutilmente charmoso. Praticante de zumbis. Aficionado por música irritantemente humilde."

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *